sábado, 31 de março de 2012

Seguro... tranquilo

À entrada para a reunião da Comissão Nacional do PS, na Guarda, António José Seguro manifestou-se tranquilo, e desvalorizou o clima de divisão e critica internas.
Ouvir reportagem

Ps aprova estatutos mas há ameaça de impugnação

A Comissão Nacional do PS aprovou por larga maioria, na generalidade, as alterações aos estatutos propostas pela direcção do partido (por Susana Barros).
81% dos dirigentes votaram a favor, $% manifestaram-se contra e registaram-se 15% de abstenções.

Ainda assim há uma ameaça de impugnação destes resultados. Renato Sampaio e Isabel Santos, que contestam a legitimidade da Comissão Nacional para alterar os estatutos, abandonaram a reunião.
Ouvir reportagem

Ramos Preto, presidente da Conselho de Jurisdição, considera que a Comissão Nacional deste sábado, estava mandatada para alterar os estatutos. Aqui.

"Votar de acordo com a minha consciência, foi a ilacção política que tirei"

Diz Ribeiro e Castro, antigo líder do CDS, e militante desde a primeira hora, defendendo a manutenção do feriado do 1º. de Dezembro (1640, Restauração da Independência)

No Conselho Nacional do CDS, em Leiria, anunciado de véspera aos jornalistas, a decisão tomada foi a de remeter o Grupo Parlamentar a 'resolução' do caso Ribeiro e Castro, no voto contra sobre as alterações ao Código de Trabalho. Nuno Magalhães, líder parlamentar, considerou que Ribeiro e Castro teria de retirar ilacções políticas. Isto é convidou-o a demitir-se da presidência da Comissão de Educação.

Paulo Portas, o lider centrista, já veio dizer que não há sanções.
Reportagem de Ana Isabel Costa, Antena1 em Leiria.

Resolvidas também parecem estar as chamadas questões fracturantes (que um grupo de 12 conselheiros colocou ao CN), que têm sido votadas consoante a consciência de cada um. Como por exemplo, a procriação medicamente assistida, a adopção por casais do mesmo sexo ou as barrigas de aluguer.

"Deputados PS não devem colar-se ao PCP e ao BE"

Diz João Proença, lider da UGT, à margem da reunião da Comissão Nacional do PS, que decorre na Guarda, sobre a atitude de alguns deputados da bancada do PS na votação das alterações ao Códio de Trabalho.
João Proença entende que estas alterações são "muitas para baixo do Memorando" e para cima "os feriados e as férias". Para ouvir aqui.

Bloco central não pode fazer o relatório da CPI ao BPN

Honório Novo, deputado comunista, não quer os partidos que formam 2/3 dos votos a fazer o relatório do BPN.
Um, teve boa parte dos seus dirigentes e figuras mais proeminentes envolvidas no esquema BPN, outro, nacionalizou em parte, com os votos do primeiro e a anuência ultra rápida (apenas 3 dias para promulgar a nacionalização do banco) do PR.

O PCP está disponível para essa tarefa e quer ouvir todos os governantes envolvidos, antigos e actuais.
A conferência de imprensa no Parlamento por Madalena Salema.

Freguesias em manif para "ajudar à reflexão"

Na véspera da manifestação promovida pela ANAFRE, o Grupo Parlamentar PSD, em mais uma reunião com a associação que junta as mais de 4 mil freguesias de país, flexibiliza e apresenta um novo modelo.

Armando Vieira, presidente da ANAFRE, diz que a manifestação deste sábado faz-se na mesma porque "ajuda à reflexão", diz.

Reportagem de Natália Carvalho.

"O sr. PM está a ficar demasiado socrático!"

Foi a frase do debate quinzenal desta sexta-feira da autoria da deputada dos Verdes Heloísa Apolónia, que provocou sorrisos generalizados, até na bancada do Governo.

O tema que Pedro Passos Coelho escolheu foi o financiamento da economia e os pagamentos do Estado aos fornecedores. Mas a Lusoponte, e mais um pagamento à concessionária da ponte 25 Abril, voltou ao debate pela voz de Francisco Louçã.
Jerónimo de Sousa não deixou escapar o aumento do desemprego constante no relatório da Primavera do Banco de Potrtugal, (por Vítor Rodrigues Oliveira) aumento esse que o PM confirmou.
António José Seguro notou o distanciamento ideológico radical entre os dois partidos, PS e PSD, confirmando que no "PS o consenso europeu não é ditado por Berlim".

Reportagem de Madalena Salema.

A OPA sobre a Brisa, por Pedro Passos Coelho.

Código de Trabalho:um voto contra no CDS

A surpresa na votação de ontem das alterações ao Código de Trabalho surgiu na bancada do CDS com o voto contra de Ribeiro e Castro por não concordar com a eliminação do feriado do 1º de Dezembro.

Nuno Magalhães, o líder parlamentar, sugeriu que o deputado retirasse consequências políticas da decisão. Aqui.

Ribeiro e Castro desvalorizou. Aqui.

O parágrafo que foi ao ar...no PS

A declaração de voto que acompanhou a abstenção do PS nas alterações ao Código de Trabalho foi objeto de várias alterações até conseguir reunir 55 assinaturas (era este o número quando o texto foi entregue aos jornalistas durante a votação).
A versão final reforçou as críticas à proposta do governo e deixou cair o seguinte parágrafo:

"Os Deputados do Partido Socialista têm consciência que o Memorando de Entendimento, negociado em ciscunstâncias extraordinárias, obrigou o país a avançar para uma reforma da legislação laboral que encerra soluções normativas que, visando estimular a competitividade das empresas, implicam, nalguns casos, uma restrição no plano dos direitos dos trabalhadores."

À saída, Carlos Zorrinho reafirmou que, para a especialidade, o PS admite o voto favorável caso a maioria aceite as propostas socialistas. Mas na bancada já houve quem ameaçasse votar contra nessa altura (caso de Sérgio Sousa Pinto que não assinou a declaração de voto do grupo preferindo anunciar a entrega de um texto autónomo). Esta sexta-feira, só a independente Isabel Moreira furou a disciplina de voto. Mas não é difícil de prever que esta crise foi por agora apenas adiada.

Peça

sexta-feira, 30 de março de 2012

Japão em Belém

São jovens estudantes japoneses que vivem na zona costeira de Fukushima.
Vítimas do terramoto e do tsunami que abalou a região, estão de visita a Portugal, a convite de uma japonesa radicada há 30 anos em Lisboa.

Hoje visitaram o Presidente da República para lhe agradecer a solidariedade demonstrada pelo povo português na sequência da catastrofe.

Dançaram ao som da música dos samurais e a seguir tomaram chá, com Cavaco Silva, na varanda do Palácio de Belém.
Ouvir reportagem

 





Uma notícia na Madeira

Pela primeira vez, depois do 25 Abril, há um candidato diferente à liderança do PSD Madeira.
É Miguel Albuquerque, o presidente da Câmara do Funchal.
Uma notícia da Antena1 - Madeira.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Tensão no PS


Um comentário no Facebook de João Ribeiro, porta-voz do PS, reproduzido no DN - "Infelizmente, para defender o passado e honrar a assinatura de José Sócrates, temos que nos calar contra medidas inaceitáveis que constam do memorando de entendimento" - deu o mote para um dia muito agitado entre os socialistas.
Diz quem esteve na reunião do grupo parlamentar que esta foi uma das mais tensas dos últimos tempos. Por causa da disciplina de voto imposta para a abstenção, amanhã, nas alterações ao Código de Trabalho e das alterações aos estatutos. Por ordem dos acontecimentos:

- Carlos Zorrinho, a meio da reunião, faz declarações aos jornalistas confirmando a abstenção e a disciplina de voto para amanhã, admitindo acabar por votar favoravelmente caso o Governo aceite as propostas de alteração que o PS vai apresentar na especialidade. Para ouvir aqui.

- A independente Isabel Moreira anuncia que vai furar a disciplina de voto. Sérgio Sousa Pinto ameaça fazê-lo na votação final global. Peça aqui.

- Na reunião, a argumentação da direção para a abstenção é contestada. Francisco Assis sugere que se faça uma nova reunião à noite para dirimir os focos de tensão entre direção do partido e o grupo parlamentar. Jorge Lacão critica as alterações aos estatutos e é bastante aplaudido. Lembra que "por menos, se demitiu quando era líder parlamentar", o que foi entendido como um recado para Carlos Zorrinho. Peça  aqui.

(a proposta de alteração dos estatutos do PS que será discutida no sábado em reunião da comissão nacional pode ser consultada aqui.)

Ruas à Antena1: "Nunca teria deixado fugir o PS"

Fernando Ruas, 63 anos, Presidente da Associação Nacional de Municípios há 10 anos, Presidente da Câmara Municipal de Viseu há 22, já não se pode recandidatar.
A entrevista aqui. Notícia Expresso aqui.

Nesta entrevista à Antena1, diz que "nunca teria deixado fugir o PS" da reforma administrativa do território, "era preciso responsabilizá-lo".
Tal como disse Fernando Costa, o autarca das Caldas da Rainha no Congresso do PSD, era preciso que esta reforma fosse feita, desde o início, com o PS, e não o Governo sozinho.
Fernando Ruas considera que não havia necessidade de fazer uma reforma do poder local,
"em meu entender, não era!". 

Uma das razões é que comparativamente, em termos europeus, Portugal está na média,
"eu não tenho de estar de acordo com a Troika!"
O Estado não pode desaparecer do interior do país porque "é essencial para democratizar o investimento público".

O Presidente da ANMP conhece apenas a intenção de municípios situados no Interior Norte que têm a intenção de se fundir, mas não diz quais.

Na entrevista, Ruas explicita, até ao cêntimo, as dívidas das autarquias. Não chegam a 8 mil milhões de euros, a 31 de Dezembro de 2011. Longe dos 12 mil milhões que Relvas apresentou.

Em dia do Banco de Portugal divulgar o Boletim de Primavera

Vários dias num só:
. Dia Nacional do Doente com Artrite Reumatóide
. Dia Europeu dos Direitos do Doente
. Dia Mundial da Juventude
8h30 – Conselho de Ministros com o debate do Orçamento rectificativo
10h15 – O entrevistado de Maria Flor Pedroso, esta quinta-feira, na Antena 1,  é o Presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, Fernando Ruas. Directo. 

10h30 – Reunião do Grupo Parlamentar do PS
11h30 - O Presidente da República recebe, em audiência, a Direcção da Liga Portuguesa de Futebol Profissional
12h00 - O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, e o primeiro vice-presidente e coordenador da direcção do partido, Jorge Moreira da Silva, vão reunir-se com o grupo parlamentar social-democrata no Parlamento


15h00 – Plenário da Assembleia da República:
Projecto de Resolução (PSD) - Recomenda ao Governo a promoção de incentivos ao empreendedorismo jovem.
#### Projecto de Lei (PS) - Altera o Código Civil, estabelecendo um estatuto jurídico dos animais.
#### Projecto de Lei (BE) - Cria o programa de pequeno-almoço na escola.
#### Projecto de Lei(PEV) - Sobre a mesma matéria.
#### Projecto de Resolução I (PS) - Recomenda ao Governo que pondere a criação de instrumentos que garantam o acesso ao pequeno-almoço aos alunos mais carenciados do ensino obrigatório.
#### Projecto de Resolução (PSD e CDS-PP) - Recomenda ao Governo que pondere a criação de mecanismos que garantam o acesso a uma refeição matinal aos alunos cuja situação de carência lhes impede o acesso em casa.
#### Projecto de Lei (PCP) - Revoga o Decreto-Lei de 16 de Junho alargando o acesso e repondo critérios mais justos na atribuição dos apoios sociais.
15h30 - O Primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, visita a Fundação Champalimaud
17h00 - O Presidente da República recebe o Primeiro-Ministro para a reunião semanal
18h00 -  Antigos Ministros das Finanças debatem o futuro do país, na Faculdade de Economia do Porto. Hoje Teixeira dos Santos, Jorge Braga de Macedo e Miguel Beleza.
Pergunta para debate: A União Europeia tem futuro no seu actual desenho?
20h00 - Vítor Bento na 33.ª conferência-jantar do Ciclo de conferências "Quintas na Quinta" Vítor Bento, economista, mestre em filosofia, presidente do Conselho de Administração da SIBS e Conselheiro de Estado. Foi director-geral do Tesouro, presidente da Junta de Credito Público e membro do Comité Monetário da União Europeia.
Lá fora:
Greve Geral em Espanha contra a Reforma Laboral
Em Bruxelas:
Divulgação de indicadores
- Inquérito às Empresas e aos Consumidores
- Indicador de Clima de Negócios para a zona Euro
No Luxemburgo:
 O Eurostat divulga sondagens de Março à Confiança dos Consumidores e dos Empresários
Em Paris:
A OCDE faz Avaliação intercalar da Perspectiva Económica
E é dia de Eleições legislativas no Irão

quarta-feira, 28 de março de 2012

"PS deve pensar duas vezes antes de votar"

O apelo de Arménio Carlos, líder da CGTP, à porta da Assembleia da República, enquanto se discutia as alterações ao Código de Trabalho no plenário.
Aqui.

Álvaro "devia ser despedido por inadaptação" diz Bloco

No debate sobre o Código de Trabalho esta tarde no Parlamento, a deputada bloquista Mariana Aiveca não fez a coisa por menos.
Reportagem aqui de Madalena Salema.

Hoje é dia de Código de Trabalho

As alterações previstas na proposta do Governo aqui contadas por Madalena Salema.

A abstenção do PS contada por Susana Barros aqui.

A opinião de António Monteiro Fernandes, ex-Secretário de Estado do Trabalho de António Guterres aqui.

A opinião de Julio Gomes, especialista em mercado laboral, aqui.

O chumbo do parecer de Mariana Aiveca na Comissão Parlamentar de Trabalho aqui.

terça-feira, 27 de março de 2012

"É uma pessoa boa demais" lê-se no Der Spiegel sobre Passos Coelho

Assim mesmo, em português, isto na versão em inglês do "Der Spiegel" on line.
Um artigo sobre a 'performance' portuguesa dos últimos anos com declarações de investigadores e jornalistas portugueses. Para ler aqui.

Incidentes na Assembleia Legislativa da Madeira

José Manuel Coelho foi expulso esta manhã. Tudo contado por João Carramanho aqui.

Freguesias saem satisfeitas de reunião com PSD

Depois de uma reunião com a Anafre, o líder parlamentar do PSD, Luis Montenegro, anunciou que os sociais-democratas vão apresentar na especialidade alterações à lei da reforma do poder local. Peça de Madalena Salema aqui.

Congresso PSD:o terceiro dia

- Discurso de Pedro Passos Coelho contado por Maria Flor Pedroso aqui.

- Reações :
  Carlos Zorrinho aqui.
  Nuno Melo CDS aqui.
  Armindo Miranda PCP aqui.
 

sábado, 24 de março de 2012

Congresso PSD:o segundo dia

- O incidente que levou Pedro Passos Coelho ao palco contado aqui por Maria Flor Pedroso.

- À margem, Miguel Macedo, Ministro da Administração Interna, falou dos distúrbios no Chiado no dia da greve geral. Peça de Natália Carvalho aqui.

- Foram poucas as alterações nos órgãos nacionais do PSD. Os nomes anunciados por Pedro Passos Coelho para a direção social-democrata são:

   Vice Presidentes: Jorge Moreira da Silva (1º vice vai coordenar a cpn e a atividade do partido), Pedro Pinto e Teresa Leal Coelho (novos), Nilza de Sena, Marco António Costa, Manuel Rodrigues.
    Secretário-Geral: José Matos Rosa (mantém-se)
    Comissão Nacional de Auditoria Financeira: José Luis Arnaut
    Mesa do Congresso: Fernando Ruas
    Conselho de Jurisdição: Calvão da Silva
    Conselho Nacional: Paulo Rangel, Diogo Leite Campos, Carlos Carreiras, Celso Ferreira,  Vitor Martins, Rui Manuel Silva, Paulo Batista Santos, Marcelo Nuno Pereira, José Hermano Machado, Manuel Castro Almeida.

- Os cortes salariais por Pedro Passos Coelho contado por Maria Flor Pedroso aqui.

- O discurso de Fernando Costa, presidente da câmara das Caldas da Rainha, a marcar a noite. Peça de Susana Barros aqui.

Congresso PSD:o primeiro dia



- Discurso de Pedro Passos Coelho na abertura do Congresso. Peça de Maria Flor Pedroso aqui.
- Comentário de Marcelo Rebelo de Sousa aqui.
- Alberto João Jardim : reação ao discurso, crítica à nomeação de Teixeira dos Santos para a PT
- Intervenção de José Pedro Aguiar-Branco aqui.

PSD e CDS vão avançar com inquérito parlamentar às PPP rodoviárias

O anuncio foi feito por Luis Montenegro, à margem dos trabalhos do Congresso do PSD, a decorrer em Lisboa.

O PSD e o  vão entregar na próxima semana uma proposta para a criação de uma comissão de inquérito parlamentar às parcerias publico-privadas rodoviárias renegociadas em 2010 pelo governo socialista.


Os social democratas querem avaliar se o interesse publico foi acautelado - justifica o lider do grupo parlamentar do PSD.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Carlos César quer Paulo Portas a negociar Base das Lages

O presidente do Governo Regional do Açores está preocupado com as consequências da saída anunciada dos norte americanos da Base das Lajes.
Carlos César espera maior empenhamento do Governo da República, nas negociações com as autoridades americanas, em concreto quer que o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, assuma um papel mais activo.
Este foi um dos temas da audiência com o Presidente da República, np Palácio de Belém.
Ouvir reportagem

Sampaio à Antena1: "Não vamos ser hipócritas!"

Jorge Sampaio, o antigo Presidente da República,  em entrevista à Antena1, a propósito dos 50 anos da crise académica de 62.
Apesar de não se referir concretamente a questões de actualidade, o antigo presidente da República considerou que o seu partido, o PS, tem de arrumar o passado arquivá-lo depois de perceber o que correu bem e mal” porque“é errado dizer que foram 6 anos horrorosos”. O mais importante é saber qual a resposta da esquerda democrática sobre o Estado Social, quais as reformas do Capitalismo. O PS tem de programar novas ideias, abrir, chamar. Está a ser feito um esforço.

Sobre a forma como a instituição Presidência da República está a agir neste momento, mais uma vez o antigo Presidente da República fala no geral, mas vai dizendo que é necessário um Presidente que arbitre e modere e quanto mais cuidado isso for, melhor. Diz que não há nenhum poder em Portugal que goste da interferência do Presidente “não vamos ser hipócritas!”, diz Sampaio que não se refere ao que está,“mas ao que é preciso” .
 
“O estado de Direito mete águas em muitos sítios” diz Jorge Sampaio que anota a dureza da crise inicial, o que não é razão para desistir. “A democracia diz pouco a quem não tem emprego

Por isso, o antigo Presidente questiona-se sobre a necessidade de conciliar a diversidade cultural com a coesão. Se não há sentimento de pertença, “porque hei-de ir votar, se não me acontece nada”, comenta Jorge Sampaio.

Jorge Sampaio pede prudência para a reforma administrativa (do Ministro Miguel Relvas), é necessário ouvir as pessoas o que demora tempo, mas “nem todos os calendários têm de ser os daTroika”, mas atenção ao interior “não pode ficar um deserto”.

O esforço que a sociedade tem a fazer é evitar os excluídos que, reconhece Jorge Sampaio, são cada vez mais. Não é bom para nada haver mais postos à margem. 
E o abandono dos universitários hoje por falta de condições, vai afectar o futuro de Portugal. É mais um alerta do antigo Presidente 50 anos depois da crise de 62.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Também se reza no parlamento

Uma delegação de deputados da Câmara dos Comuns do Canadá, de visita a Portugal, esteve hoje na Assembleia da República.

Coube ao Presidente da Comissão Parlamentar da Economia receber a delegação. Campos Ferreira, do PSD, escolheu a sala de reuniões da Biblioteca e preparou uma breve síntese informativa sobre a situação económica em Portugal. Pensava o deputado que a audiência seria breve. Só não contava com o pedido do chefe da delegação canadiana: licença para dizer uma oração a agradecer a recepção. Seja, anuiu o deputado português, mal conseguindo esconder a surpresa. Mas, a história não termina aqui.

Terminada a oração, levanta-se um segundo elemento da delegação canadiana, pedindo, também ele, para dizer mais uma oração. E porque não há duas sem três, diz o dito popular português, Campos Ferreira ainda foi abençoado com uma terceira longa oração. Benzeram-se, ajoelharam-se, rezaram. A ladainha durou um quarto de hora. No fim, a paciência de Campos Ferreira, foi premiada com….maple syrup! Conhecido como xarope de ácer ou xarope de bordo é um melaço muito consumido no canadá.

Ao deputado português só resta mesmo, rezar para que a receita das panquecas seja um sucesso…
para comer frente à televisão, quando visionar o DVD da história, em português, de Maria Madalena que Campos Ferreira também recebeu de presente.

segunda-feira, 19 de março de 2012

"Oiça o povo!" ouviu Miguel Relvas que até o foi cumprimentar

Foi numa aula sobre a Reforma Administrativa, no Instituto de Ciências Sociais e Políticas em Lisboa, que um pequeno grupo de manifestantes gritou para o Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares. Relvas fez questão de cumprimentar, tal como Pedro Passos Coelho já tinha feito, logo a seguir ao incidente "António Arroio" com o PR.

O Ministro criticou António José Seguro, lider socialista que tem-se manifestado contra esta reforma administrativa que o Governo quer fazer, e deixou a notícia: de que a Reforma da Lei Eleitoral "é a última" a fazer-se.
Reportagem de Madalena Salema. 

Miguel Relvas deixou novo número das dívidas das autarquias: 12 mil milhões de euros.

Vinho "Salazar" já chegou a Espanha

Através da correspondente Virginia Lopez do "El Mundo", os espanhóis ficam a saber da ideia do autarca de Santa Comba Dão.

Estaleiros de Viana: "há 20 anos que os trabalhadores querem parceiros estratégicos"

É o que diz António Barbosa, da Comissão de Trabalhadores dos Estaleiros de Viana do Castelo, sobre o anúncio da privatização. Dentro de um mês será lançado um concurso internacional.

Esta manhã, em Viseu, o PM Pedro Passos Coelho afirmou que "desde o nosso mandato temos vindo a trabalhar (...) num mecanismo que nos permita uma injecção de capital (...) que o país continue a contar com uma empresa com estas características e com esta história". 

Paulo Portas preocupado com a Economia

Foi nos Açores, em visita como Ministros dos Negócios Estrangeiros, que o também líder do CDS, anunciou vistos especiais de permanência para investidores estrangeiros que possibilitem a criação de emprego e dinamismo na Economia, como conta a jornalista Luísa Couto da Antena1 Açores.

sábado, 17 de março de 2012

Primeira baixa no CDS

José Manuel Rodrigues, o rosto do CDS na Madeira, demitiu-se de vice-presidência da bancada parlamentar do CDS.
Ontem votou contra o aumento do IVA na região, quebrando a disciplina de voto. Por isso, entendeu demitir-se.

Rodrigues disse que a única pressão que recebeu foi para alterar o sentido de voto, em consciência considerava que não o podia fazer. Diz estar solidário com o governo. Aqui, ouvido por Mário Galego.

Uma divergência pontual, portanto, que o porta voz do CDS, João Almeida confirma aqui.

Caso Borges: O governo é que tem de resolver, diz Soares

Foi a noite passada, em Setúbal - em mais uma apresentação do livro "Um político assume-se", desta vez apresentado por Vítor Ramalho - que Mário Soares falou de um dos casos do dia. Quanto ao prefácio de Cavaco, o antigo Presidente não quebra a regra, diz "que não é ressentido".
Reportagem do correspondente da Antena1 em Setúbal Gualter Ribeiro.

Ainda sobre o caso António Borges, agora administrador não executivo do Jerónimo Martins e as funções que o Governo lhe atribuiu com consultor das privatizações na Parpública.
Ontem, Honório Novo do PCP, no parlamento, considerou que as duas coisas são incompatíveis porque se comprova a "promiscuidade de quem exerce cargos públicos e a defesa de interesses privados".

António Borges, numa conferência em Lisboa, não comentou a sua situação, mas diz que a baixa de salários em Portugal quase corresponde a uma desvalorização da moeda e "há quem queira investir umas massas valentes em Portugal".
Reportagem de Mário Rui Cardoso.

Costa à Antena1: "Qual o problema de Sócrates depor sobre o BPN?"

António Costa, em entrevista à Antena1 com o pretexto do livro "Caminho Aberto", editado esta semana, diz ter "recebido um cartão de António José Seguro a explicar que não pode estar presente e claro que foi convidado!"

Mas deixa um recado ao líder socialista recomenda que "o PS assuma o passado na sua totalidade" destes seis anos da governação Sócrates, dos quais Costa faz parte, sendo certo que "a História também se encarregará de depurar muita coisa."

Ainda sobre o passado, "(Sócrates) deve ir à Comissão Parlamentar de Inquérito, qual é o problema?"
E considera que é "interessante e útil" esclarecer tudo o que tem que ver com o BPN.

Defende, há anos, uma alteração do sistema eleitoral, mas "as máquinas do PS e do PSD não querem esta reforma."
Bem como insiste na Regionalização, como uma reforma essencial para desconcentrar a administração do Estado. Pelo caminho, critica a proposta de Miguel Relvas.

"Cavaco Silva tem fragilizado a sua posição no sistema e esperemos que nos próximos 4 anos recupere", considera o Presidente da Câmara de Lisboa.
Acredita que este Governo vai até ao fim da Legislatura, até porque tem o apoio do Presidente.

Nem zangado, nem cansado, com a vida política, diz-se disponível para o que vier.
Confessa que a iniciativa deste livro é um acto político que não é inocente, como nenhum acto político o é. E questionado sobre o lançamento de "Caminho Aberto" no dia 9 de Março (dia em que os PR tomam posse) para as livrarias, é uma coincidência, sublinhando que o dia foi escolhido pela editora.

Candidato a PR ou à liderança do PS? "O que tinha gostado muito era de ser Secretário de Estado dos Transportes!" António Costa não resiste e ri-se da nega que António Guterres lhe deu.

Nesta entrevista, António Costa questionado sobre se está à espera de algo que venha a acontecer – numa referência a uma eventual candidatura a Belém –, António Costa responde de forma pronta. “Não estou à espera. Este livro que publiquei demonstra que não tenho estado à espera. Em vinte anos tenho aproveitado cada minuto que tenho para fazer aquilo que posso fazer. É um dever de todos nós que estamos na vida política ir prestando contas do que fazemos”, sublinha.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Afinal são mais 50 autarquias que vão precisar de resgate

Durante 20 a 25 anos, estas 50 autarquias, que vão ter um plano de ajuda financeira - vão ficar com a sua acção fortemente condicionada, soube a Antena1, com a jornalista Madalena Salema.
Mas, ainda assim, não haverá asfixia financeira, isto é, câmaras paralisadas.

Costa à Antena1: "Teria gostado muito de ser Secretário de Estado dos Transportes"

António Costa, em entrevista à Antena1  com o pretexto do livro "Caminho Aberto", editado esta semana, diz ter "recebido um cartão de António José Seguro a explicar que não pode estar presente e claro que foi convidado!"

Mas deixa um recado ao líder socialista recomenda que "o PS assuma o passado na sua totalidade" destes seis anos da governação Sócrates, dos quais Costa faz parte, sendo certo que "a História também se encarregará de depurar muita coisa."

Ainda sobre o passado, "(Sócrates) deve ir à Comissão Parlamentar de Inquérito, qual é o problema?"
E considera que é "interessante e útil" esclarecer tudo o que tem que ver com o BPN.

Defende, há anos, uma alteração do sistema eleitoral, mas "as máquinas do PS e do PSD não querem esta reforma."
Bem como insiste na Regionalização, como uma reforma essencial para desconcentrar a administração do Estado. Pelo caminho, critica a proposta de Miguel Relvas.

"Cavaco Silva tem fragilizado a sua posição no sistema e esperemos que nos próximos 4 anos recupere", considera o Presidente da Câmara de Lisboa.
Acredita que este Governo vai até ao fim da Legislatura, até porque tem o apoio do Presidente.

Nem zangado, nem cansado, com a vida política, diz-se disponível para o que vier.
Confessa que a iniciativa deste livro é um acto político que não é inocente, como nenhum acto político o é. E questionado sobre o lançamento de "Caminho Aberto" no dia 9 de Março (dia em que os PR tomam posse) para as livrarias, é uma coincidência, sublinhando que o dia foi escolhido pela editora.

Candidato a PR ou à liderança do PS? "O que tinha gostado muito era de ser Secretário de Estado dos Transportes!" António Costa não resiste e ri-se da nega que António Guterres lhe deu.

Demitiu-se ou não? Depende das versões

Assunção Esteves, a PAR, deu um murro na mesa por causa da intransigência da maioria para criar a Comissão Parlamentar de Inquérito ao BPN ou do recuo dos socialistas depois de já se ter alcançado um consenso que, na noite passada, fez demorar três horas e meia a conferência de líderes.

Tudo contado pela jornalista Susana Barros.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Otelo insiste em novo 25 de Abril

Em Coimbra, numa conferência sobre o papel das Forças Armadas na defesa da República no Instituto Superior de Contabilidade, que o operacional do 25 de Abril afirma convicto a necessidade de recuperação da soberania.
Reportagem de Pedro Ribeiro.

A reacção do General Garcia Leandro: "Otelo vive fora da realidade (...) a grande pergunta é o que ele faz no dia dia 26 de Abril?

Meio mundo apareceu no livro de Costa

Mas não António José Seguro, líder do PS, que estava no Algarve a ver a a saúde em Portugal de perto, como conta a repórter Sílvia Mestrinho.

Mas voltemos a Lisboa e à apresentação do livro do presidente da câmara de Lisboa, na estação do Rossio, com Jaime Gama, que reapareceu, a comparar a narrativa de Costa com a de Obama no que ao "Caminho Aberto" diz respeito e com António Costa a querer colocar no seu cartão de visita a palavra político. Susana Barros conta aqui.

quarta-feira, 14 de março de 2012

BPN? Uma ou duas Comissões de Inquérito?

Já houve uma, na legislatura anterior, presidida pela socialista Maria de Belém, na qual o então deputado Nuno Melo do CDS recebia informações em cafés afastados do centro da cidade.

Há umas semanas, o PSD chumbou a inciativa que partiu do BE, agora o PS anunciou a iniciativa potestativamente e a maioria PSD/CDS já entregou na mesa o projecto.

Como não pode haver duas CPI, vai ter de ser Assunção Esteves a resolver o assunto.
Todos os protagonistas na peça de Madalena Salema.

António José Seguro, lider do PS, acusa a má consciência do PSD aqui.

O comentário de Raul Vaz aqui "o PSD vive incomodado com o BPN e o PS também pela decisão política no tempo de Sócrates".

Demissão PR: Petição excluída

Deputados da Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais rejeitaram a petição que juntou 40 mil assinaturas que pediam a demissão do Presidente da República. Fernando Negrão, o presidente da Comissão, justifica aqui.

Retificativo a 5 de Abril

Decisões da conferência de líderes desta manhã aqui por Maria Flor Pedroso.
Agendamentos e um 25 de Abril diferente.

Lusoponte: Afinal, os 4,4 milhões serão devolvidos com juros, diz Sérgio Monteiro


Uma das 3 folhas do documentos distribuído pelo PS aos jornalistas

O PS acusou o Secretário de Estado dos Transportes de já ter assinado a minuta do acordo de reequilíbrio financeiro com a Lusoponte e guardar segredo.
Para Sérgio Monteiro uma minuta não é um acordo.

Na audição de três horas na comissão parlamentar de economia e obras públicas, o Secretário de Estado garantiu que o impacto da transferência dos 4,4 milhões de euros para a Lusoponte será nulo, que o Estado receberá a verba com juros no final do mês e calculou em 110 milhões de euros a dívida gerada pela isenção de pagamento nas portagens na ponte 25 de Abril em Agosto.

Sérgio Monteiro acusou tambem o governo socialista de ter passado os riscos de variação de impostos para o Estado, nos contratos com a Lusoponte e com a Mota-Engil, e afirmou que existem 19 pedidos de reequilíbrio financeiro, que implicam riscos de litigância na ordem dos 1200 milhões de euros.

Peça  aqui.

Caminho aberto para Costa, dizem eles

Os caminhos que Costa diz "ter ajudado a abrir", livro lançado esta tarde por Jaime Gama, já lido pela jornalista Susana Barros.

Paulo Pedroso, Santos Silva e Vítor Ramalho dizem à Antena1 que António Costa pode ser o que quizer. Susana Barros.

João Cravinho, entrevistado na semana passada pela Antena1, considera que "Costa não se pode amputar nas possibilidades". Depende do seu dever. Mas parece que esta intervenção do Presidente da Câmara de Lisboa se encaminha para uma maioria presidencial: "o lançamento é de carácter presidencial".
O problema é o calendário, diz o antigo Ministro.

terça-feira, 13 de março de 2012

Bloco quer ouvir o novo e o velho

Catarina Martins, deputada do BE, em declarações a Célia de Sousa explica as razões porque quer ouvir Henrique Gomes, o ex-SE da Energia e Artur Trindade, o novo SE da Energia.
Foi nas Jornadas Parlamentares do BE, no Porto.

"Não se trata de uma cedência, era o que faltava, nem pense nisso", diz PM

3 minutos demorou a posse do novo SE da Energia, Artur Trindade, como testemunhou a repórter Madalena Salema no Palácio de Belém.
Com Álvaro Santos Pereira a chegar e a partir com SE anterior, Henrique Gomes.

O som de Pedro Passos Coelho, que retirámos da SIC está aqui. Não se ouve tudo, por uma questão técnica, mas o PM responde à pergunta de Paula Santos quando insiste na cedência aos interesses "...era o que faltava, nem pense nisso".

Demissão no Governo? "Seguimos em frente"

Foi a primeira reacção do Governo. No caso Miguel Macedo, o Ministro da Administração Interna.

Luís Filipe Menezes em Gaia considerou que Henrique Gomes era "um peixe não na água (...) e que até foi bom que tenha saído".

Demissão no Governo

Apesar do PM ter garantido, no final da semana passada em Estocolmo, que "não está em mira qualquer substituição de nenhum membro do Governo", soube-se ontem à noite da demissão do Secretário de Estado da Energia, Henrique Gomes.
Sucede-lhe no cargo o até agora diretor de Custos e Proveitos da ERSE, Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos,  Artur Trindade, que toma posse às 15:30.

Peça de Valter Medeiros aqui.

Comentário de Nicolau Santos aqui.

Rui Paulo Figueiredo, PS, fala em "mais um caso de descoordenação no Ministério da Economia". Aqui.

João Semedo, BE, diz que esta demissão "está carregada de razões políticas". Aqui.

Agostinho Lopes, PCP, diz que "este governo não conseguiu pôr cobro às rendas excessivas da energia". Aqui.
Jerónimo de Sousa, mais tarde também reagiu, entendendo que "o governo defende sempre os grandes interesses do capital".

Manuela Cunha, Verdes, considera que "esta demissão é consequência dos interesses económicos ligados ao sector energético"Aqui.

A 10 dias da greve geral, CGPT quer SMN em 515 euros

As razões foram apresentadas esta tarde em conferência de imprensa.
Arménio Carlos, líder da central, lembra o Acordo de Concertação assinado com o Governo de Sócrates, que previa em 2011 o salário mínimo nacional nos 500 euros, não chegou a ser cumprido.

Reportagem de Madalena Salema.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Amado critica PR

À saída do I Encontro : Triângulo Estratégico América Latina-Europa-África, esta manhã em Lisboa, Luis Amado criticou o ataque de Cavaco Silva a José Sócrates. O ex-Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros do PS considerou-o inoportuno e injusto, num momento em que é necessária coesão nacional.

Amado mostrou-se, por outro lado, de acordo com a recusa de António José Seguro em participar num governo de Bloco de Central mas não afastou esse cenário no futuro.

Peça

Neste Encontro esteve  tambem Miguel Relvas que preferiu não fazer declarações à saída. O Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares falou na abertura mas esta sessão era fechada à imprensa. Aos jornalistas, que ficaram à porta, foi distribuído o discurso onde podia ler-se, por exemplo :"somos um povo europeu e atlântico. Somos ambas as coisas em simultâneo, sem que uma ponha em causa a outra, sem que uma diminua a outra, sem que uma rivalize com a outra. Pelo contrário, trata-se de uma condição complementar."

PR não quer comentar...

...os cortes salariais que os trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos e da TAP não vão ter, ao contrário dos outros trabalhadores de empresas públicas.
Cavaco Silva remete para o prefácio dos Roteiros VI.

Cavaco Silva justifica prefácio

De visita ao Alfeite, o Presidente da República apela para o site da presidência para que se lei o texto do prefácio na íntegra para "não serem contaminados por eventuais desinformações". Bem como recomenda a leitura do artigo 201 da Constituição da República. O PR justifica o tempo da análise do ano anterior.
Reportagem de Ilídio Trindade.

António José Seguro, lider socialista, questionado durante o  Roteiro da Saúde no Porto,  continua a não entender "a utilidade para o país, das críticas, do prefácio do PR".

Marcelo Rebelo de Sousa, no comentário na TVI, não percebe como é que "o acontecimento mais grave dos últimos 30 anos não põe em causa o regular funcionamento das instituições? É que se põe eu não percebo o que ponha... um golpe de Estado? Um PR cercado em Belém?"

domingo, 11 de março de 2012

sábado, 10 de março de 2012

Cravinho à Antena1: "PM é o grande líder da vanguarda leninista ultraliberal"

João Cravinho, 75 anos, antigo super ministro de Guterres (Equipamento, Planeamento e Adm do territorio) e foi durante 5 anos administrador do BERD (Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento). A entrevista inteira aqui.

Notícia Expresso, aqui.

Sobre o QREN:
PM DARIA UM BOM SINAL SE REMODELASSE, podia ser um excelente sinal da capacidade governativa de Passos. "Não me choca absolutamente nada. É preciso um acerto de orgânica"
SUGERE PARTIÇÃO DO MINISTERIO DE ALVARO, o ministério tal como está não pode ser.
TIRARAM O BOLO DA MAO AO ALVARO, está completamente esvaziado de competências o Ministério liderado por Alvaro Santos Pereira
QREN OU DE ALVARO OU DE GASPAR? UMA FALSIDADE, Cravinho contesta a dupla tutela do QREN. E mais diz que é uma "falsidade objectiva", porque só pode ser de um ou outro. A única razão de ser de Alvaro, como ministro, é coordenar.
QUEM VAI NEGOCIAR QREN POS 2013?, é a pergunta que ele deixa. São 20 mil M de Euros que estão em causa para renegociar já depois de 2013, quem o vai fazer?

Sobre o governo:
PASSOS GRANDE LIDER DA VANGUARDA LENINISTA ULTRALIBERAL, Passos quer marcar o país tão decisivamente... "que o país vai acordar ultraliberal". Isto com as baionetas da Troika, mas alerta que Napoleão sempre disse que se pode fazer tudo com as baionetas, menos sentar-se em cima!.
ACUSA GOVERNO PASSOS DE MA FE, diz não ter medo das palavras.
Não foi a irresponsabilidade política que nos trouxe a esta situação. Mas sim a Banca.
BANCA FORÇOU CREDITO PELAS GOELAS ABAIXO, a irresponsabilidade da Banca - que ninguém fala e que é branqueada - forçou o crédito "pelas goelas abaixo dos cidadãos"
IRRESPONSABILIDADE POLITICA É MITO, só se fala de finanças públicas, o problema desta crise é a Banca privada e a dívida privada!!! porque é isso que não nos faz aceder aos mercados. Isto é novo, dantes não era assim.
GOVERNO NAO ESTA A SER DEMOCRATICO, Passos, ao ir além da Troika, impõe a Portugal medidas pondo em causa a democracia. Não explicou ao que vinha. Está a impor.

Sobre António Costa:
COSTA PARECE PRESIDENCIAIS MAS TUDO ESTÁ EM ABERTO, pela forma como está a parecer esta iniciativa de Costa, é presidenciais, está a apontar para uma maioria presidencial. Tem um problema de calendário, mas está tudo em aberto. Pode tentar constituir-se como uma reserva se as circunstâncias assim o exigirem.
COSTA NÃO SE PODE AMPUTAR, ele dedica a sua vida ao interesse público e o seu dever pode ser determinado pelas circunstâncias.

Sobre Seguro:
SEGURO TROCOU PRINCIPIOS POR CONTABILIDADE, no Orçamento de Estado fez isso: trocou os príncipios - o corte nos subsídios - por contabilidade. Aí acaba a conversa!, diz Cravinho.
SEGURO AGORA BOM CAMINHO, elogia Seguro com o Laboratório de Ideias, excelente equipa!, agora são precisas propostas que marquem a diferença.

Sobre ele como Ministro (95/99):
CONFESSA QUE SE ENGANOU, (é a primeira que o diz, esteve para escrever um livro mas não o fez) que não foi prudente o suficiente, que na altura pensou que o país ía desenvolver-se mais a partir dos projectos, portadores de mudança, que seriam financiados à escala global. É que essas transformações levam décadas e os nossos actores económicos são muito muito lentos

sexta-feira, 9 de março de 2012

"Nem queria acreditar!"

Disse António José Seguro, lider socialista, reagindo ao prefácio de Cavaco Silva.
"O cidadão Cavaco Silva tem todo o direito à sua leitura sobre a História, o PR tem outras responsabilidades".

Cravinho à Antena1: António Costa parece lançado para Belém

João Cravinho, 75 anos, antigo super ministro de Guterres (Equipamento, Planeamento e Adm do territorio) e foi durante 5 anos administrador do BERD (Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento). A entrevista inteira aqui.

Notícia Expresso, aqui.

Sobre António Costa:
COSTA PARECE PRESIDENCIAIS MAS TUDO ESTÁ EM ABERTO, pela forma como está a parecer esta iniciativa de Costa, é presidenciais, está a apontar para uma maioria presidencial. Tem um problema de calendário, mas está tudo em aberto. Pode tentar constituir-se como uma reserva se as circunstâncias assim o exigirem.
COSTA NÃO SE PODE AMPUTAR, ele dedica a sua vida ao interesse público e o seu dever pode ser determinado pelas circunstâncias.

Sobre António José Seguro:
SEGURO TROCOU PRINCIPIOS POR CONTABILIDADE, no Orçamento de Estado fez isso: trocou os príncipios - o corte nos subsídios - por contabilidade. Aí acaba a conversa!, diz Cravinho.
SEGURO AGORA BOM CAMINHO, elogia Seguro com o Laboratório de Ideias, excelente equipa!, agora são precisas propostas que marquem a diferença.

Sobre ele próprio como Ministro (95/99):
CONFESSA QUE SE ENGANOU, (é a primeira que o diz, esteve para escrever um livro mas não o fez) que não foi prudente o suficiente, que na altura pensou que o país ía desenvolver-se mais a partir dos projectos, portadores de mudança, que seriam financiados à escala global. É que essas transformações levam décadas e os nossos actores económicos são muito muito lentos.

Sobre o QREN:
PM DARIA UM BOM SINAL SE REMODELASSE, podia ser um excelente sinal da capacidade governativa de Passos. "Não me choca absolutamente nada. É preciso um acerto de orgânica"
SUGERE PARTIÇÃO DO MINISTERIO DE ALVARO, o ministério tal como está não pode ser.
TIRARAM O BOLO DA MAO AO ALVARO, está completamente esvaziado de competências o Ministério liderado por Alvaro Santos Pereira
QREN OU DE ALVARO OU DE GASPAR? UMA FALSIDADE, Cravinho contesta a dupla tutela do QREN. E mais diz que é uma "falsidade objectiva", porque só pode ser de um ou outro. A única razão de ser de Alvaro, como ministro, é coordenar.
QUEM VAI NEGOCIAR QREN POS 2013?, é a pergunta que ele deixa. São 20 mil M de Euros que estão em causa para renegociar já depois de 2013, quem o vai fazer?

Sobre o governo:
PASSOS GRANDE LIDER DA VANGUARDA LENINISTA ULTRALIBERAL, Passos quer marcar o país tão decisivamente... "que o país vai acordar ultraliberal". Isto com as baionetas da Troika, mas alerta que Napoleão sempre disse que se pode fazer tudo com as baionetas, menos sentar-se em cima!.
ACUSA GOVERNO PASSOS DE MA FE, diz não ter medo das palavras.
Não foi a irresponsabilidade política que nos trouxe a esta situação. Mas sim a Banca.
BANCA FORÇOU CREDITO PELAS GOELAS ABAIXO, a irresponsabilidade da Banca - que ninguém fala e que é branqueada - forçou o crédito "pelas goelas abaixo dos cidadãos"
IRRESPONSABILIDADE POLITICA É MITO, só se fala de finanças públicas, o problema desta crise é a Banca privada e a dívida privada!!! porque é isso que não nos faz aceder aos mercados. Isto é novo, dantes não era assim.
GOVERNO NAO ESTA A SER DEMOCRATICO, Passos, ao ir além da Troika, impõe a Portugal medidas pondo em causa a democracia. Não explicou ao que vinha. Está a impor.

Passos na Suécia: de Cavaco não fala, mas de Álvaro sim

Em Estocolmo, depois de um encontro com o PM sueco e na conferência de imprensa conjunta, Pedro Passos Coelho afirmou "não falar de política interna no estrangeiro", para evitar comentar o texto de Cavaco Silva, mas apressou-se a dizer, no mesmo palco, que Álvaro Santos Pereira se vai manter.

Reportagem da enviada especial Madalena Salema.

Um ano depois, Cavaco contra Sócrates e reacções

Faz hoje um ano que Cavaco Silva tomou posse para um segundo e último mandato.
De 9 de Março de 2011 a este 9 de Março, José Sócrates foi PM 4 meses e Pedro Passos Coelho 8.
O antigo PM socialista é o protagonista do texto do PR no prefácio do "Roteiros VI".

Acusa José Sócrates de falta de lealdade institucional. Peça da jornalista Natália Carvalho.

Sócrates, a pedido da Antena1, não quer comentar. A notícia aqui por Maria de São José.

Pedro Silva Pereira, o primeiro a reagir, na Antena1, ouvido por José Guerreiro, ele que foi número 2 do governo de Sócrates, fazendo precisamente a ligação com Belém.
Silva Pereira acusa o Presidente de ser o "campeão da falta de lealdade institucional" e ainda que é preciso lembrar-lhe que ainda é Presidente e não um Presidente que está a escrever as suas memórias.

A 17 de Março de 2011 - no meio da crise do PEC IV - Pedro Silva Pereira dava uma entrevista à Antena1 onde garantia que o Governo "cumpria o dever de informar o Presidente". Para ouvir aqui.

Carlos Zorrinho, líder parlamentar do PS, em cima das 10 da manhã acusa o PR de fazer um "ajuste de contas sem direito a contraditório".

António Filipe, vice presidente da AR pelo PCP, considera que este prefácio "é pequena política".

Catarina Martins, BE, critica o "passa culpas" com o anterior governo.

O comentário de Raúl Vaz, analista político da Antena1.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Ruas baixa o tom da crítica

Duas horas e meia de reunião com o PM (depois do Debate quinzenal, da reunião habitual com o PR e antes de partir para Helsínquia) e com o Ministro Miguel Relvas, a primeira reunião de outras que se lhe vão seguir para resolver o problema das dívidas de curto prazo das autarquias, que a Troika exige.

Peça de Natália Carvalho.

Passos em 'tête à tête' com PM finlandês e PM sueco

Dois dias para Pedro Passos Coelho, à margem das reuniões europeias formais, dar conta do que considera ser os progressos portugueses nestes dias aos seus homólogos do norte da Europa - terras de social democracia. Dois dias acompanhados pela enviada especial Madalena Salema.

Ainda há pouco mais de um mês, Cavaco Silva andou por lá, garantindo como as coisas vão correndo bem em Portugal, antecipando uma terceira, e positiva, boa avaliação da Troika em Portugal e o sucesso do Acordo de Concertação Social.

"Trabalho igual, salário igual"

Defende Teresa Morais, a secretária de Estado da Igualdade e também dos Assuntos Parlamentares, em entrevista à Antena1, a José Guerreiro, no Dia Internacional da Mulher.

O problema não está na legislação mas sim na forma como é aplicada, diz, mas sim na prática e na sua fiscalização, daí a necessidade de mais sanções. 

quarta-feira, 7 de março de 2012

Petição para demitir Cavaco já está no Parlamento

Foi entregue, não à Presidente Assunção Esteves, mas no expediente do parlamento.

Peça de Susana Barros.

Como um secretário de Estado ausente pode marcar um debate

É o caso do SE das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, que à terceira insistência de Francisco Louçã BE, que abriu o debate quinzenal com o PM esta tarde, entrou em contacto telefónico com o PM para o ilucidar sobre a questão do duplo pagamento à Lusoponte.
Uma notícia conhecida sexta-feira passada através do semanário Sol e que foi logo alvo das perguntas do PS, BE e PCP há cinco dias, portanto.
Peça de Susana Barros aqui.

Perguntas de Eanes à espera de resposta de Aguiar Branco

Ramalho Eanes, antigo Presisdente da República, diz não compreender, depois da intervenção do Ministro da Defesa Aguiar Branco, qual é o papel que o Portugal entende reservar às forças armadas.
Em declarações à Antena1, ao jornalista José Manuel Rosendo.

A entrevista de Ramalho Eanes à Antena1 a propósito dos 20 anos do Lusitânia Expresso, uma iniciativa do Forum Estudante de Rui Marques que tinha a intenção de levar um navio até Timor.
Entrevista de José Manuel Rosendo.

terça-feira, 6 de março de 2012

Depois de ter aconselhado Sócrates, agora Passos...

... também é alvo dos conselhos de Mário Soares, antigo Presidente da República e Primeiro-Ministro.
Foi ontem, ao fim da tarde, na livraria Ferin no ciclo "Política e Pensamento" dinamizado por Ribeiro e Castro, o antigo lider do CDS e actual deputado.

O PM português devia seguir o exemplo de Rajoy em Espanha, por se recusar a cumprir o défice imposto por Bruxelas, o PM espanhol "teve a coragem de dizer: eu não posso fazer isto!".

Reportagem de Susana Barros.

O caso Álvaro: algumas passagens

O Ministro da Economia, que se manteve na pasta, falando, a noite passada, num jantar com a Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações, em Lisboa, contra "cortinas de fumo criados pelos partidos de oposição (...) e contra os lobbies instalados".

Segundo o Diário Económico, que teve acesso ao decreto-lei que irá ser discutido amanhã em Conselho de Ministros antecipado, aqui resumido por Rosa Azevedo, os fundos do QREN vão ser tratados por 7 ministérios.

No Parlamento, Basílio Horta, PS, quer saber do PM qual o Ministro responsável pelo QREN para que possa ser chamado à comissão parlamentar no sentido de se perceber qual o ponto de situação destes dinheiros comunitários.

Jerónimo de Sousa, PCP, entende que o problema não é do Ministro, mas sim da política.

Francisco Louçã, BE, entende o problema é que não há economia, como disse ao microfone de Frederico Moreno.

João Cravinho, PS, ouvido pela Antena1, entende que o lugar de "Santos Pereira não tem condições para o lugar".

António Saraiva, CIP, foi ontem a São Bento, mas ainda não para falar do QREN, onde entende que se deve manter a gestão dos fundos.

Álvaro Santos Pereira, mantém-se na pasta, esteve ontem 3 horas em São Bento a seu pedido (e não chamado pelo PM), reunido com o PM, saiu em contra-mão, com a Polícia a parar o trânsito, gere o QREN, mas não terá a decisão final sobre os destinos do investimento.
Um dia depois do último Conselho de Ministros houve uma fuga de informação para a imprensa.
Na madrugada de sábado, Pedro Passos Coelho confirmava-a, de viva voz, e dizia que ser Gaspar a ter a última palavra em matéria de QREN.
Na segunda feira, a imprensa citava o gabinete do Ministro da Economia falando num cenário de demissão.
O CDS entregava no parlamento um requerimento para saber de Álvaro Santos Pereira sobre as Parcerias público-privadas.
Álvaro continua ministro, mas menos.

domingo, 4 de março de 2012

A polémica dos fundos do QREN

Vista por Pedro Passos Coelho, aqui.
Vista por António José Seguro, em Castelo Branco, na Conferência do Interior, aqui contada por Paulo Braz.

Vista por Vítor Gaspar, aqui.

e por Francisco Louçã, aqui.

Passos reeleito líder do PSD com 95,5% dos votos e elogia CDS

Resultados ainda provisórios e até faltavam apurar "algumas mesas grandes", mas a percentagem esmagadora foi suficiente para, à uma da manhã, Calvão da Silva, o Presidente do Conselho de Jurisdição do PSD, proclamar a reeleição de Pedro Passos Coelho.

Na declaração, feita já de madrugada, o líder do PSD confirmou que irá fazer "alguns ajustamentos" na futura direcção do partido.

Confrontado com os reparos de Alberto João Jardim ao comportamento do CDS no Governo, Pedro Passos Coelho contrariou as criticas que chegaram da Madeira com elogios ao partido de Paulo Portas: "o CDS tem sido um parceiro leal de coligação".

Pedro Passos Coelho foi mais longe nos elogios e sublinhou que, "apesar das diferenças que existem entre os partidos, que são saudáveis, muitas vezes nem se apercebe que se trata de uma coligação" de governo. Peça

sábado, 3 de março de 2012

Do BE para o MAS...

Movimento Alternativa Socialista. Assim se chama o novo movimento constituido por duas centenas de militantes que assumem a ruptura com o Bloco de Esquerda. Gil Garcia dá a cara por este movimento que quer unir a esquerda contra a troika.

Para já são duas centenas, mas acreditam que não vai ser díficil recolher as 7500 assinaturas que a lei exige para se constituirem em partido político.

Hoje apresentaram-se à imprensa num hotel de Lisboa - o mesmo que o BE usa habitualmente para as reuniões. Para o próximo Sábado têm já marcada uma festa na Voz do Operário para começarem a campanha de recolha de assinatura. Peça 

Directas no PSD

Passos sucede a Passos.

Sem contestação, Pedro Passos Coelho recandidata-se a segundo mandato à liderança do PSD
numa eleição em que se compromete a levar o partido a nova vitória nas eleições autarquicas e também nas regionais dos Açores.

Candidato único, só resta medir a expressão dos votos dos militantes. Peça

Há turismo para além da crise e...da derrota do Benfica!

Chegou de Bruxelas e aterrou directamente na BTL. Sempre a olhar para o relógio, Passos Coelho não assistiu ao principío do Benfica/Porto, mas terá chegado a casa a tempo de digerir a derrota dos encarnados.

De stand em stand, Passos Coelho atravessou o país sem passar pelas portagens. Ouviu queixas, admitiu que os portugueses têm de viver com menos, mas "não decreta que não haja férias". Eele próprio a continuar fiel à Praia da Manta Rota.

O Primeiro-Ministro passou pelo stand da Grécia sem parar e, entre um porto e uma poncha, brindou a um bom ano de turismo em Portugal. Ouvir peça

sexta-feira, 2 de março de 2012

Capucho à Antena1: Podia ser aproveitado pelo partido "mas fui votado ao ostracismo"

António Capucho, 67 anos, Presidente da Fundação D. Luís, antigo conselheiro de Estado, Ministro da Qualidade de Vida do Bloco Central, Ministro dos Assuntos Parlamentares de Cavaco Silva, deputado e lider parlamentar, eurodeputado, Presidente da Câmara de Cascais durante 8 anos.
Ouvir a entrevista aqui.

Diz estar num deserto, ostracizado depois do caso Nobre,
que o partido se esqueceu dele e até podia ajudar gratuitamente, porque já está reformado e não pode acumular com nada, perdeu 1/3 do seu rendimento, mas chega para as despesas.

Está irritado com a forma como Relvas está a tratar a Reforma Administrativa, desrespeito total para com os autarcas ( por causa da carta),
considera que o novo desenho das freguesias é um disparate, uma "palhaçada" e
elogia Ruas pela coragem de protestar.
Considera que Relvas - que deve comunicar a mensagem do Governo -  não o sabe fazer e que prejudica o governo,

Este governo vai chegar ao fim da legislatura graças à inteligência (que sublinha 2 vezes) de Paulo Portas e que o CDS tem óptimos quadros.

Que a reforma da lei eleitoral é essencial para preservar a democracia, que os estatutos do partido - ele fez propostas que não foram aceites - continuam a ter a possibilidade de um militante pagar as quotas de outros, o PSD transformou-se em partido barriga de aluguer, 
que o Partido não existe e nem sabe se a Comissão Política se reune.

E ainda... que vai ser renegociado o Memo da Troika, acha bem que o PM não diga, mas que essa renegociação está prevista para o próximo exame, como disse o Ministro alemão a Gaspar...

e Cavaco devia ter persuadido Passos a ir aos rendimentos de capitais evitando os cortes dos subsídios.

Notícia Expresso aqui
Notícia Jornal de Negócios aqui.

"Eu não falei com o PSD, berrei!"

Carlos Lourenço, Presidente social democrata da Câmara de Arruda dos Vinhos, esta manhã em entrevista ao Portugal em Directo da Antena1 (todos os dias depois das notícias das 13h), diz que a lei dos compromissos, recentemente aprovada, pode levar as câmaras a colocar em causa muitos dos seus serviços.

Questionado pela jornalista Isabel Gaspar Dias sobre as conversas que teve com o seu partido, Lourenço desabafa "eu berrei com o PSD", mas os governantes "esquecem-se da realidade".
Constata que isso não acontece apenas com o seu partido, mas como presidente de câmara com larga experiência, já não é a primeira vez que observa este tipo de atitude do poder.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Para que serve o jornalismo?

Adelino Gomes, jornalista agora também investigador, dá algumas pistas aqui.

Foi graças ao post "Adelino Gomes is back" de Maria Guiomar Lima do Grupo do FB infoPortugal que o Sem Embargo re-encontrou Adelino Gomes. Sempre a não perder.

Trocas e baldrocas para...não exportar!

Chama-se Quinta dos Fumeiros. É uma pequena empresa de Ponte de Lima. Inovou.
Além dos tradicionais enchidos de porco vende também enchidos de peru. Diz quem provou e, a repórter não provou, que são bons, muito bons.

Esta empresa sonha com novos mercados. Seguiu o apelo do discurso político e, esteve pela primeira vez, no SISAB, a feira de produtos alimentares. Chegou e conquistou os sabores de leste. Na negociação, com um interessado cliente russo, só não contava que fosse o Ministério português da Agricultura a travar o sonho de exportar. Ouvir a história

Só o futuro dirá se o cliente russo vai manter o interesse no produto desta pequena empresa de Ponte de Lima ou se vai acabar por aceitar o da concorrência, também minhota.
Para as estatísticas das exportações portuguesas poderá ser indiferente, a menos que seja o cliente russo a trocar as voltas ao funcionário do Ministério da Agricultura e desista dos "dissabores" portugueses.