domingo, 2 de setembro de 2012

"Portugal não é um país de corruptos"


Candida Almeida foi a primeira magistrada em Portugal depois do 25 de Abril.
Foi o primeiro membro da magistratura a participar na Universidade de Verão do PSD e
o reitor, o eurodeputado Carlos Coelho, já a proclama como sucessora de Pinto Monteiro.

Num Jantar conferência, em Castelo de Vide, Candida Almeida deixou a garantia que o país e os politicos portugueses não são corruptos e Portugal até é dos poucos países europeus onde se investiga negócios de Estado, como é o caso dos submarinos. Peça

sábado, 1 de setembro de 2012

MInistra da Justiça pede dignificação da função pública

À entrada da Universidade de Verão do PSD, Paula Teixeira da Cruz recusou falar da RTP : "venho aqui no âmbito de uma iniciativa extremamente positiva e é no positivo que me vou centrar"
Lá dentro, perante a jovem plateia de laranjinhas, a Ministra saiu em defesa da Função Pública.


Paula Teixeira da Cruz manifestou-se contra os cortes cegos na Administração Publica e defendeu a dignificação da função pública :"Está por provar que o sector privado tenha maior eficiência que o sector público". Peça

terça-feira, 31 de julho de 2012

E, desta vez, Passos até elogiou os "manifestantes"




Uma fotografia que correu os jornais de hoje



Antes de partir para férias, Pedro Passos Coelho visitou a Unidade Especial de Polícia, em Belas. À espera do Primeiro-Ministro, uma manifestação seguida de tentativa de atentado...tudo encenado como conta Natália Carvalho aqui.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Luis Amado na Universidade de Verão do PSD

Depois de Mário Soares ter marcado presença, no ano passado, desta vez é o ex-ministro dos negócios estrangeiros de José Sócrates que vai participar na Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide.
Peça de Célia de Sousa aqui.

Aguarda-se pelo anuncio do programa da Universidade de Verão dos socialistas que se realiza entre 30 de Agosto e 2 de Setembro, em Évora...

E, finalmente, Isabel falou

No último plenário da sessão legislativa, Isabel Moreira, deputada independente eleita pelo PS, conseguiu fazer a declaração política sobre o acordão do Tribunal Constitucional do corte dos subsídios.
Seguro não assistiu.
Peça de Madalena Salema aqui.

Passos visto de fora

Apesar dos protestos seguirem a agenda do Primeiro-Ministro - ontem foi em Cantanhede como relatou aqui o jornalista Joaquim Reis - a estratégia de comunicação do Governo português parece estar a resultar lá fora. No El Pais, há já quem aconselhe Mariano Rajoy a seguir o exemplo português - El rescate del Presidente por Antoni Gutierrez-Rubi -, dias depois da Reuters ter lançado a ideia.

Portas não podia esperar mais

Finalmente!
A carta que Paulo Portas, lider do CDS e Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros escreveu a carta prometida aos militantes centristas no aniversário do governo, a 21 de Junho de 2012.

Foi preciso esperar  35 dias para a mensagem de Paulo Portas chegar.

A peça aqui por Madalena Salema, ao fim de uma longuíssima espera, quase em desespero!.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

A excepção e a regra, por Bagão Félix

Foi no Conselho Superior da Antena1 que o comentador residente das 4ªf, conselheiro de Estado e independente próximo do CDS, resolveu escolher o tema das excepções em Portugal.
Considerando que é uma das nossas particulatidades.
Bagão não esclareceu se falava das excepções dos salários dos administradores da RTP publicadas ontem, não tendo sido questionado sobre o assunto.
Aqui fica o comentário crítico de Bagão às excepções

O Bloco de Esquerda quer explicações sobre estas excepções. Aqui com Catarina Martins.
Também o PS quer saber mais.

Os sindicatos querem a demissão do CA. Aqui
.

Mirós do BPN seguidos em Espanha

Foi na audiência, longuíssima, de secretária de Estado Maria Luís Albuquerque, na Comissão Parlamentar de inquérito, que se ficaram a saber novidades sobre o destino dos vários quadros do pintor catalão Juan Miró da colecção do BPN.
Maria Luís diz que "todos os dias me chegam propostas".
Para ler aqui no El Mundo.

Na comissão acompanhada pela jornalista Madalena Salema, Maria Luís Albuquerque tenta esclarecer a participação de Pedro Passos Coelho na venda do BPN ao BIC.

terça-feira, 24 de julho de 2012

O que andou a fazer o Parlamento

A Assembleia da República divulgou esta tarde os relatórios estatísticos da atividade parlamentar da 1ª sessão legislativa da XII Legislatura que agora chega ao fim. Peça de Susana Barros aqui.
Os dados podem ser consultados aqui.

Para a próxima legislem melhor, pede PR

A promulgação é que seria surpreendente. Como se contou aqui, a solução para o erro na  reorganização administrativa de Lisboa passaria sempre pelo veto presidencial. A decisão de Cavaco Silva foi anunciada esta manhã. Sublinhe-se o "puxão de orelhas" ao Parlamento na mensagem de Belém que pode ser consultada aqui.
Destacamos os seguintes pontos:

5. Face a esta situação, está-se perante a singular circunstância de ser enviado ao Presidente da República para promulgação um texto legislativo em relação ao qual o seu próprio autor expressa, previamente, dúvidas quanto à exatidão do mesmo.
6. Neste contexto, o Presidente da República não pode deixar de notar, como já fez em anteriores ocasiões, que a qualidade e o rigor na produção das leis são um imperativo da maior importância para a segurança jurídica e para o estabelecimento de uma relação de confiança e de respeito dos cidadãos perante o Estado. O rigor deve ser uma condição sine qua non em todas as fases do processo legislativo.
7. Também importa acautelar que o poder de veto político do Presidente da República, consagrado constitucionalmente, não seja utilizado para dirimir dúvidas desta natureza.

"Que se lixem as eleições"

No jantar do PSD para assinalar o fim da sessão legislativa, ontem à noite, no restaurante da Assembleia da República, discurso de Pedro Passos Coelho acompanhado por Natália Carvalho. Para ouvir aqui.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Entrevista do PM à RDP África

Para ouvir aqui.
22 minutos a não perder.

GOM à A1 defende o acórdão do TConstitucional

Guilherme Oliveira Martins, Presidente do Tribunal de Contas, considera que quer o prazo quer as metas do défice vão ser alteradas com a avaliação da Troika em Agosto.
O Presidente do Tribunal de Contas, em entrevista à Antena1, defende o acórdão do Tribunal Constitucional e a justificação que foi feita. Concorda com a ideia de não sobrecarregar apenas os mais pobres, bem como considera que a origem do rendimento tributada tem de ser diversificado.
Também defende as PPP, mas bem negociadas e não como algumas que foram feitas por um "Estado complacente, sobretudo na assunção dos riscos".

Sobre a avaliação da troika em Agosto:
Está optimista. Acha que agora não se pode falar disso, mas os prazos - o tempo -, e as metas - o défice - vão ser flexibilizados.

Sobre acórdão do Tribunal Constitucional:
Concorda com a ideia de Moura Ramos: taxar capital e rendimento e todos, ricos e pobres.
Saúda a Comissão Europeia por ter dito que esta decisão do TConst não põe em causa
os objectivos traçados para 2013
Elogia a atitude do PR e do TC. Estiveram ambos bem, cumpriu-se a lei e a Constituição.

Sobre as PPP:
As privatizações da EDP e da REN estão a ser investigadas plo DCIAP por tráfico de influências e manipulação de preços, corrupção portanto. GOM diz que as comissões de acompanhamento das privatizações queixam-se de estes processos foram rápidos demais, por causa da urgência. O processo está em investigação, por isso não avança mais.

Não podem ser diabolizadas as PPP, é preciso é tomar cuidados porque podem ser a melhor defesa do dinheiro público.

Reconhece que o Estado foi complacente na negociação dos contratos, sobretudo nos riscos, que assumiu todos.

Alerta para o facto de a 125 do Algarve ficar mais cara por se portajar a A22.

O TContas interessa-se também sobre a qualidade dos serviços, não apenas a poupança interessa. No caso da saúde, GOM diz que Paulo Macedo tem falado com ele sobre a qualidade do serviço nacional de saúde.

Ao contrário da ideia feita na opinião pública, o dinheiro público é hoje mais bem gasto.
GOM reconhece que a crise ajudou a gastar melhor o dinheiro.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Carlos César em S. Bento com recado para Belém

O encontro durou quase três horas e não passou ao lado da pré-campanha eleitoral...Carlos César saiu satisfeito insistindo no mérito da região cumpridora (como já tinha feito na última reunião com Pedro Passos Coelho), revelando o apreço do Primeiro-Ministro pela forma como os Açores têm tratado as suas finanças.
Foto Governo Regional Açores
O Presidente do Governo Regional mostrou-se convencido de que tal será tido em conta no próximo Orçamento de Estado - não terá "novidades negativas"para os Açores, considerou César - e na revisão da Lei de Finanças Regionais.

Carlos César aproveitou para dizer que espera que o Presidente da República marque as eleições regionais para depois do OE (15 de Outubro), fez a sua própria leitura das datas defendidas por Berta Cabral e disse que Passos Coelho lhe garantiu não ter havido influência partidária em decisões que já deveriam ter sido tomadas, anunciando até que a redução de 40% nas passagens aéreas Ilhas-Continente será tratada em breve.

Peça de Susana Barros aqui.

BE quer clubes sociais de cannabis



João Semedo anunciou ontem que o BE apresentará na próxima sessão legislativa um projeto para legalizar o cultivo de canabis para consumo pessoal e permitir a criação de clubes sociais.

Peça de Maria Flor Pedroso aqui

quarta-feira, 18 de julho de 2012

PR em Maputo: troika e crescimento

Num encontro com empresários portugueses em Maputo, Cavaco Silva mostrou-se otimista com a próxima avaliação da troika e confiante no crescimento económico já em 2013.
Peça da enviada especial da Antena 1 Natália Carvalho aqui.

Soares sobre Relvas, Governo e médicos

As críticas ao Governo e à licenciatura do ministro Miguel Relvas feitas por Mário Soares, ontem à noite, na Ordem dos Médicos aqui por Célia de Sousa.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Belém prepara calendário eleitoral dos Açores

Cavaco Silva ouviu ontem os partidos para a marcação das eleições para a Assembleia Legislativa dos Açores.
PCP defendeu 21 de Outubro. Jorge Cordeiro aqui.
PPM : 7 de Outubro. Gonçalo da Câmara Pereira aqui.
CDS : 7 ou 14 de Outubro. Artur Lima aqui.
BE: 21 de Outubro. José Cascalho aqui
PSD : o mais cedo possível. Berta Cabral aqui
PS: 21 de Outubro. Vasco Cordeiro aqui.

A ironia de Jardim, a resposta de Menezes e a manifestação contra Relvas

No Festival de Folclore, no domingo, Alberto João Jardim puxou pela ironia para comentar a licenciatura de Miguel Relvas. Para ouvir aqui.

Na manhã seguinte, no Conselho Superior da Antena 1, Luis Filipe Menezes mostrou-se perplexo com as críticas:"Quando vejo alguém que andou 10, 12, 14 anos em Coimbra para se formar a criticar Miguel Relvas fico terrivelmente perplexo ao estado a que chegou o debate político em Portugal”.

Ao final da tarde, a manifestação convocada pelo Facebook não juntou em S. Bento as 3000 pessoas que prometiam participar mas contou com algumas centenas. Reportagem de Natália Carvalho aqui.

No comentário de domingo, Marcelo Rebelo de Sousa atirou o nome de Marques Mendes para o lugar de Miguel Relvas. Aqui.

domingo, 15 de julho de 2012

Portas recusa misturar público e privado

Na abertura do Congresso do CDS/Madeira, Paulo Portas não quis responder ao Presidente do Tribunal Constitucional - "porque acho que um membro do Governo não deve entrar em controvérsia com o Tribunal Constitucional. Chama-se a isso institucionalismo" - mas avisou: público e privado não têm responsabilidades iguais na resolução do problema do défice...do Estado. Para ouvir aqui

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Moura Ramos A1: O acórdão explicado, para quem quiser

Rui Moura Ramos, 62 anos, Presidente do Tribunal Constitucional em final de mandato à, em entrevista à Antena1 :




Sobre o acórdão:  
reconhece que podia ser mais bem fundamentado, mas o consenso não deixou ir mais longe.
Só olharam para a dicotomia público/privado, não perceberam que não era isso que estava em causa,
mas sim a natureza dos rendimentos: apenas os de trabalho. Então, os do capital e património?
Critica Passos que, diz, reagiu a quente sem ter lido o acórdão.
Agora, Moura Ramos, já ouve o Governo a falar de que é preciso tempo.
Os criticos não leram o acódão como deve ser.
Não faz sentido dizer que esta decisão agrava a recessão (como disse o CDS).
Ele não tem de apresentar soluções, mas diz que uma solução para ir buscar os dinheiro do corte dos subsídios pode ser tributar os rendimentos do capital.
Outra solução é cortar no dinheiro que é dado aos partidos.
(Na Madeira), os partidos dão o excedente que recebem do Estado a instituições sociais.
Moura Ramos explica o raciocínio da inconstitucionalidade. É uma norma chamada redução de efeitos, prevista na Constituição, que o TC decidiu assim por o OE 2012 já estar em vigor e porque estamos num momento muito dificil
Foi a primeira vez que o TC usou esta norma da redução de efeitos. É um artigo que existe, portanto...

Sobre o TC:
critica Paula Teixeira da Cruz, Luis Montenegro e Noronha do Nascimento que querem acabar com o TC e transformá-lo numa comissão do STJ. "Seria uma particularidade portuguesa, um retrocesso, um recuo."
Mais ainda, discutir isto quando se está num processo de eleição dos juízes (que tomaram posse esta 5ªf). Então tenham coragem de revera Constituição sobre isto.
A forma como decorreu esta eleição dos 3 juizes causou danos muito fortes ao TC, à AR e ao sistema
"espero que isto não se volte a repetir"
Sobre o Código Laboral:
Não antecipa qual o veredicto do TC sobre as inconstitucionalidades que possam existir (esta 5ªf foi entregue no TC pedido de inconstitucionalidade pelo PC, BE e verdes), mas, mas, alerta que será a primeira vez que o TC vai debruçar-sesobre a temática da eliminação de feriados.

Sobre Paula Teixeira da Cruz:
Não é tolerável que a Ministra da Justiça tenha dito, ainda que por antecipação, que se o TC considerasse inconstitucional o corte dos subsídios seria uma catástrofe. "Como se viu, não influenciou o TC"

"Não recebo autarcas debaixo de pressão"

Diz Paula Teixeira da Cruz, a Ministra da Justiça, ontem à tarde no Parlamento em debate a pedido do BE. Por Susana Barros aqui.

Bagão Félix também falou

Se fosse Relvas já tinha saido até para facilitar a vida ao PM.
Na entrevista de Sandra de Sousa na RTP1.

Relvas falou

para ouvir aqui.

1º. Dezembro sempre!

É o que pretende José Ribeiro e Castro, antigo líder do CDS, insiste no feriado que restaura a independência de Portugal.
Ribeiro e Castro chama a atenção para o facto de o feriado ter sido eliminado e não suspenso, como foi dito.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Depois dos subsídios, agora o Código de Trabalho no TC

PCP, Verdes e BE entregam no Tribunal Constitucional o pedido de inconstitucionalidade das alterações do Código de trabalho, aqui por Célia de Sousa.

As explicações de Jorge Machado, do PCP, que falou em nome dos 24 deputados que entregaram o pedido no TC.

Coincidências...

A hsitória da nova liderança da Lusófona Porto aqui contada pela jornalista Isabel Cunha.

O resultado do Estado da Nação

O desafio do PM ao líder socialista e a resposta aqui por Susana Barros.

Sem resposta ficou a solução governamental para contornar o acórdão do TC que considerou o corte de subsidios inconstitucional. Ficou garantido que, para já, o Governo não está a pensar em mais impostos. Por Madalena Salema aqui.

Pedro Passos Coelho - Decisão TC não será pretexto para o fracasso.

António José Seguro - o caso das Novas Oportunidades em Vila Real e quer saber quais as medidas para compensar a derrapagem orçamental

Luís Montenegro PSD - PS não pode recusar o diálogo

Jerónimo de Sousa - O PSD não pode limpar as mãos à parede das responsabilidades.

Francisco Louçã - Com a decisão do TC acabou o calote.

Heloísa Apolónia - As pessoas sentem-se roubadas

Puxão de orelhas de Passos aos ministros PSD

Um conselho nacional sem história, apesar das 6 horas de reunião, a ficar marcado pela ausência dos ministros sociais democratas. Só os Miguéis, Relvas e Macedo.
Pedro Passos Coelho repetiu o discurso do Estado da Nação e secou as lágrimas de Virgínia Estorninho. Peça de Natália Carvalho aqui.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Ontem em Belém, hoje em São Bento

José Manuel Coelho do PTP desceu esta tarde à galeria do povo no parlamento.
Mostrou as fotografias da polícia no Funchal que não o deixaram ficar na cerimónia do dia da autonomia da Madeira.
Ontem foi assim à porta de Belém, sem esperar que resposta sequer à audiência pedida a Cavaco Silva. Reportagem de Natália Carvalho.

A ERC, as perguntas do Público, os sábados e os créditos de Relvas

"Ilibado, ilibado, ilibado, não se dá como provado, não se dá como provado, não se dá como provado!", não se cansou de repetir o Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares sobre o relatório da ERC que esqueceu a frase " houve uma pressão inaceitável” do ministro Miguel Relvas sobre o jornal Público. Por Natália Carvalho.

Acabada a primeira audiência na Comissão de Ética, Miguel Relvas segue para a segunda audição, a ordinária. A RTP e os sábados de Relvas

E os desenvolvimentos do caso da licenciatura da Lusófona, com os muitos créditos atriubuidos a  Miguel Relvas. Por Valter Medeiros.

Hoje é dia de Estado da Nação

António José Seguro esteve a semana passada a preparar o Estado da Nação: 5 dias 5 temas, iniciativas que a repórter Susana Barros acompanhou.
O Ministro Álvaro Santos Pereira é quem vai receber mais perguntas do PS, fruto das propostas que chegaram ao site que os socialistas abriram.

PCP e Verdes reuniram-se formalmente na Soeiro para acertarem o discurso desta tarde.
Por Célia de Sousa.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Fé na Troika

Têm os bispos, reunidos em Fátima, na resolução da crise. Uma reunião da conferência episcopal acompanhada pela jornalista Ana Isabel Costa aqui.

Gaspar quebra tabu

"Melhorar e favorecer o processo de ajustamento", disse Vitor Gaspar à saída da reunião do Eurogrupo, atirando para a 5ª. avaliação da Troika prevista para Agosto. Pela primeira vez, um membro do Governo de Pedro Passos Coelho admite que o memo da Troika vai ser alterado: melhorado e favorecido para alcançar "o sucesso do programa de ajustamento".

O Ministro de Estado e das Finanças foi questionado sobre a decisão do TConstitucional nesta reunião onde afirmou que o Governo está estudar medidas para o Orçamento de Estado para 2013 e garantiu que essas "medidas devem merecer o maior consenso político e social em Portugal".

"Vai ter de haver ajustamentos ao memo" diz MMendes

O resumo do debate do Estado da Nação aqui, por Susana Barros, Marques Mendes foi claro, em Agosto vai ter de haver ajustamentos "já toda a gente percebeu!".

Estado da Nação: não é brilhante, muito complicado, péssimo, desastre, em coma!

O debate dos antigos líderes parlamentares a propósito do Estado da Nação aqui.

A conclusão foi unânime e pouco animadora. Marques Mendes assinalou que o Estado da Nação "não é brilhante", Francisco Assis referiu ser um estado "muito complicado", o centrista Nogueira de Brito assinalou que "é péssimo", já o comunista Octávio Teixeira indicou ser um "desastre" e por fim, José Manuel Pureza sublinhou que se trata de um "estado de coma".

sexta-feira, 6 de julho de 2012

CDS com reservas aos cortes no privado

Nuno Magalhães disse, numa conferência de imprensa na AR destinada a criticar o pressupostos da decisão do Tribunal Constitucional, que tudo tinha de ser discutido.
O lider parlamentar do CDS não foi capaz de defender a ideia que Pedro Passos Coelho deixou ontem `a noite `a porta do Politeama: alargar o corte dos 13º. e 14º. meses aos privados, "essa questão vai ser discutida, mas nunca em pu´blico".

Nesta CI não ficou claro, apesar da questão ter sido colocada duas vezes, se o PM contactou Paulo Portas antes de fazer declarações no meio da rua, `a porta do Politeama na estreia de "Uma noite em casa de Ama´lia" de Filipe La Fe´ria. Uma declaração que, pelo que se vai percebendo em conversas de bastidores, apanhou todos de surpresa.
Para ouvir aqui.

terça-feira, 3 de julho de 2012

Camarate, à décima será de vez?

A 10ª. para continuar a 9ª. Comissão Parlamentar de Inquérito ao Caso Camarate.
Acordo político entre PSD e CDS, mas os trabalhos só começam sem Setembro.
Peça de Natália Carvalho.

Esquerda unida vai ouvir os médicos no Parlamento

Ordem dos Médicos, sindicato Independente e FNAM ouvidos amanhã de manhã pelas 11h30 na AR, mas só pelos partidos à esquerda da maioria: PS, PCP, BE e Verdes.

PSD e CDS inviabilizaram a audição dos médicos na comissão parlamentar de Saúde.
Motivo: a greve agendada.

Peça de Célia de Sousa aqui.

Ferro Rodrigues: Balanço 15 anos RMG

A peça de Susana Barros aqui, que foi ouvida na manhã de ontem da Antena1.
Nem dois governos de direita, apesar das críticas, acabaram com o a ideia do Rendimento Mínimo Garantido, transformara-no em Rendimento Social de Inserção, diz Ferro Rodrigues que lamenta as alterações que foram feitas ao projecto nascido nos anos 90.

A entrevista a Eduardo Ferro Rodrigues, aqui.

Ainda o caso do Metro do Porto

Aqui por Rosa Azevedo que relembra declarações de Rui Rio à Antena1, em defesa de Álvaro Santos Pereira.

O Ministério da Economia desmetiu esta informação e Luís Filipe Menezes, contacto pela Antena1, não atendeu.

domingo, 1 de julho de 2012

Saiu ao colo da polícia

Protagonista: José Manuel Coelho, deputado regional pelo PTP, Partido Trabalhista Português.
Local: Madeira, Funchal.
Motivo: queria falar na cerimónia do Dia da Região Autónoma e não era permitido.
Para ver e ouvir aqui.

Alberto João Jardim continua a desafiar o Estado a fazer um referendo sobre a autonomia regional, caso não sejam consagrados mais poderes para a Madeira.

Feito à medida, reportagem...

... de Célia de Sousa com os olhos e os ouvidos voltados para aqueles que trabalham a pensar nos que têm necessidades diferentes dos outros.

Desde táxis adaptados a quem tem dificuldades motoras, até à roupa própria para quem passa o dia sentado numa cadeira de rodas. Os bolsos têm de ser noutro sítio, é preciso outras aberturas nas calças ou nas saias.
Também há brinquedos...diferentes para quem tem outras habilidades com as mãos e com a cabeça.

Vale a pena ouvir. Aqui.

sábado, 30 de junho de 2012

"Demita-se sr. Ministro que o país não pode mais com a sua incompetência!"

Foi o apelo lancinante que o Presidente da Câmara de Matosinhos Guilherme Pinto fez com António José Seguro ao lado no congresso da federação do PS Porto. Guilherme Pinto perdeu as eleições internas para José Luís Carneiro, apoiado por Seguro.

O ministro em causa é o da Economia, Álvaro Santos Pereira. O motivo é a nomeação da Metro do Porto, sem administração há mais de um ano.
Rui Rio, em declarações à Antena1, ao jornalista Nuno Moura Brás, acusa membros de governo de torpedearem a acção de Álvaro.

O líder do PS também exigiu explicações de Pedro Passos Coelho.

Alteramos as medidas ou as metas?

Pergunta João Almeida, porta-voz do CDS, depois de saber os números da execucução orçamental. Aqui.

Quanto ao PR, Cavaco Silva recomenda que o Governo fale com a Troika, reavalie, "um diálogo entre as partes e o resultado da apalicação do programa de ajustamento no nosso país".

Amado à A1: Vai ser preciso PS ao lado da maioria pelo sim num referendo europeu

A entrevista de Luís Amado à Antena1 esta semana aqui.

Aos 26'30'' diz que "não faz sentido agora falar agora em governos de coligação" com o PS.
Aos 29'15'' confirma que passado um ano sobre o final do Governo de Sócrates, "há tempos para tudo, não é um facto político relevante" não voltou a falar com o antigo PM, apesar de serem amigos.
Aos 30'30'' fala da reunião de Bilderberg onde esteve recentemente com Jorge Moreira da Silva e Pinto Balsemão.

Com o super ministro das Finanças europeu, o maior partido da oposição terá de estar ao lado do PSD e do CDS num referendo sobre a partilha de soberania que será inevitável. Amado considera que se vai entar num momento de tensão democrática.

As críticas do antigo Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros ao Governo de Pedro Passos Coelho por não ter grande iniciativa no cenário europeu.

Saúda a Itália e a Espanha por terem feito frente a Merkel "É possível", diz.
Nesse sentido, realça o papel de François Hollande no Pacto para o Crescimento.
Fundamental é ter mecanismos que permitam fazer baixar as taxas de juro.

Saúda Seguro pela forma como tem estado a fazer oposição, nomeadamente no pedido de mais tempo para o cumprimento do memo da Troika. "Cada um está a desempenhar o seu papel e bem, não creio que estejam combinados".

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Álvaro mal recebido na Covilhã...

...como há muito tempo não se via na por estas bandas, assinala o correspondente da Antena1 na Covilhã, Paulo Brás.
A ideia do Ministro da Economia era reunir-se com empresários locais. E assim foi, mas à saída, trancou as portas do carro e seguiu viagem. E nada disse.

Desta vez, foi de vez!

Os três juízes eleitos para o Tribunal Constitucional... ouvidos na 1ª.comissão por Célia de Sousa.

A lista única com os três nomes propostos por PS, PSD e CDS foi eleita com os votos de 156 deputados,
um pouco acima dos 2/3 (153 deputados) que esta eleição exige.
Votaram 207 deputados, houve 39 votos brancos e 12 nulos.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Só no sec.XXI o PCP viu uma Moção de Censura votada

A primeira vez que uma Moção de Censura do PCP foi votada aconteceu em 2003, contra o Governo Durão/Portas. Antes, houve mais moções apresentadas pelos comunistas - e por outros partidos, claro - mas, a única que foi a votos, e chumbou claro, foi a de 2003.

Nota curiosa: Só o primeiro Governo de António Guterres (1995-1999) não teve qualquer moção de qualquer partido. No segundo Governo do agora Alto Representante da ONU para os Refugiados, todos os partidos apresentaram, excepto o PCP.

Tudo aqui contado num trabalho da jornalista Madalena Salema.

O resumo do debate parlamentar está aqui, por Madalena Salema.

Governo Passos/Portas um ano depois, sem perguntas

O que se discutiu nesta reunião informal do Conselho de Ministros, num trabalho da jornalista Natália Carvalho. Essencial perceber como colmatar a falha do défice e a saúde da cologação.

Passos Coelho esclarece que não há outra maneira de resolver a crise sem recorrer a medidas restritivas. Ainda assim faz balanço positivo. Numa declaração no Palácio da Ajuda, ao lado de Paulo Portas, sem direito a perguntas.

domingo, 24 de junho de 2012

De novo em Guimarães, apupos para o PR

Cavaco Silva, com a medalha de ouro da cidade de Guimarães, capital da cultura, a não se livrar dos apupos aqui contados pela jornalista Graça Rocha. O PR reafirmou a importância das indústrias criativas.

Em Castro Daire, novos apupos, por causa do encerramento de serviços públicos. Aqui por Tiago Contreiras.

Jerónimo à A1: "PS já nem segura as bandeiras de esquerda"

Jerónimo de Sousa nesta entrevista à Antena1, (pode ser vista aqui) confessa que vai receber subsídio de férias, não como deputado, mas como operário metalúrico, do sector privado. Como é sabido, os eleitos comunistas não são nem beneficiados nem prejudicados. São remunerados tal como seriam na sua vida antes da eleição.

sobre PS e Moção de Censura
Jerónimo de Sousa reconhece que teria importância política o voto favorável do PS à moção de censura, só que para o líder comunista, o PS insiste em ter o compromisso com o acordo e "quer dar um ar de oposição".

Nesta entrevista à Antena1, Jerónimo de Sousa reage pela primeira vez ao anúncio de abstenção dos socialistas. "A primeira reacção de Seguro é que isto é contra mim!". Jerónimo não percebe o incómodo para o PS.

Aconselha o PS a rasgar o acordo - tal como disse Soares - e aí era fácil o entendimento
com o PCP. O problema para o PCP é que o PS defende política de Direita. Porque, para Jerónimo de Sousa, o PS já nem segura as bandeiras da Esquerda "já nem isso o PS é capaz de fazer".
Mas agora "não peçam ao PCP para abdicar dos príncipios em nome da convergência das Esquerdas".

Sobre Cavaco e Código Laboral
Cavaco justificou o não envia do Código laboral para o TC, entre outras razões,
porque apenas 15% da oposição esteve contra. Jerónimo lembra que no Estatuto dos Açores houve unanimidade na AR (a favor) e ele vetou: tenhamos bom senso", pede o líder do PCP ao PR que acusa de ter feito tábua rasa da Constituição, não cumprindo o juramento que fez ao povo.
Com esta decisão, o PR clarificou o seu apoio a esta política de Direita.
Como se pode preocupar com o desemprego e não questionar este código?

Sobre PCP
Há congresso do PCP no último trimestre deste ano.
Jerónimo de Sousa está disponível para continuar secretário geral "haja vida e saúde!" , diz.

PSD em Sintra...sem queijadas


Fernando Seara, o anfitrião, bem prometeu queijadas mas...nem uma para amostra. Carlos Carreiras deu nota disso numa picardia bem-disposta entre os dois Presidentes de Câmara. Para ouvir aqui.


Na Convenção Autárquica da distrital do PSD-Lisboa, que decorreu no sábado no Centro Cultural Olga Cadaval, foram vários os apelos à candidatura de Fernando Seara à Câmara de Lisboa.

Seara não abriu o jogo numa manhã marcada tambem pelas críticas de Carlos Carreiras aos ministros independentes. "O governo tem de de começar a agir de forma diferente com as autarquias", defendeu o Presidente da Câmara de Cascais. Para ouvir aqui.


À tarde, Jorge Moreira da Silva anunciou que o PSD terá uma carta de princípios para as eleições do próximo ano. Aqui.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Caso Relvas/Público:3-2

Com os votos a favor de Carlos Magno (Presidente), Raquel Alexandra e Luisa Roseira (indicadas pelo PSD) e os votos contra de Alberto Arons de Carvalho e Rui Gomes (indicados pelo PS), a ERC aprovou ontem a deliberação que iliba o Ministro Miguel Relvas de "pressões ilícitas" sobre o jornal Público e a jornalista Maria José Oliveira.

Foto ERC
De acordo com o Conselho Regulador "em concreto, não se comprovaram as denúncias de que o ministro tenha ameaçado promover um blackout informativo de todo o Governo em relação ao jornal e divulgar na Internet um dado da vida privada da jornalista.
O Conselho Regulador assinalou ainda que a atuação do ministro nos telefonemas trocados com responsáveis editoriais do Público, usando de um tom exaltado e ameaçando deixar de falar pessoalmente com o jornal, poderá ser objeto de um juízo negativo no plano ético e institucional, ainda que não caiba à ERC pronunciar-se sobre esse juízo."

A deliberação pode ser consultada aqui.
A declaração de voto de Arons de Carvalho pode ser lida aqui.
Miguel Relvas, ontem à tarde, antes de ler o relatório, tranquilo aqui.

Inês de Medeiros anuncia que PS quer ouvir de novo o Ministro na AR aqui.
Francisca Almeida, PSD, anunciou que maioria chumbará o requerimento aqui.

Moção de censura: PS anuncia abstenção

A moção de censura do PCP e a situação europeia marcaram a reunião de ontem da comissão política do PS com Carlos Zorrinho, no final, a anunciar aos jornalistas aquilo que António José Seguro vinha dando a entender desde a semana passada: a abstenção do PS.

Peça aqui.

terça-feira, 19 de junho de 2012

"O poder burocrático está subordinado ao poder democrático", avisa Assunção Esteves

Foi na tomada de posse do novo Secretário-Geral da Assembleia da República.
Cerimónia, esta tarde, assim contada pela Agência Lusa:

"O procurador-geral adjunto João Manuel Cabral Tavares tomou hoje posse como secretário-geral da Assembleia da República, “desafio” que disse aceitar com “convicção” e “responsabilidade”.
O novo Secretário-Geral da AR
João Manuel Cabral Tavares foi hoje empossado no novo cargo pela presidente da Assembleia da República, numa cerimónia que decorreu no Salão Nobre do Parlamento e que contou com a presença dos líderes parlamentares e de personalidades como o procurador-geral da República, Fernando Pinto Monteiro.

Após tomar posse, num curto discurso, João Manuel Cabral Tavares lembrou que a Constituição da República determina que para um “exercício livre” do mandato, devem ser garantidas aos deputados “condições adequadas ao eficaz exercício das suas funções”.

“Liberdade e eficácia, portanto. Da liberdade será cada senhor deputado o seu próprio sobreano. Quanto à eficácia, competir-me-á enquanto secretário-geral (…) assegurar que, relativamente aos senhores deputados, sejam devidamente cumpridos pelos serviços os deveres de assessoria técnica e administrativa”, afirmou.

O magistrado acrescentou que no exercício deste cargo se regerá pela “vinculação a critérios de legalidade e objetividade”, tendo em atenção a “interpelante diversidade da assembleia parlamentar” e a “imperativa economia de meios nos tempos difíceis” atuais.

“É com convicção e responsabilidade que aceito o desafio”, concluiu.

Antes, a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, tinha afirmado que José Manuel Cabral Tavares tem pela frente um “trabalho intenso”.

“Sendo um trabalho que não é político, que se distingue por natureza do trabalho politico, articula-se todos os dias com ele”, sublinhou.

“Esta articulação deve ter cada dia o empenhamento de todos e ser feita no sentido da maior lealdade e da maior eficácia, segundo um princípio que nunca é demais sublinhar: o poder é o poder democrático e o poder burocrático está subordinado ao poder democrático”, acrescentou.

João Manuel Cabral Tavares sucedeu à juíza conselheira Adelina de Sá Carvalho, que abandonou a secretaria-geral da Assembleia da República por ter atingido o limite de idade, após 13 anos no cargo.

O secretário-geral "superintende em todos os serviços da Assembleia da República e coordena-os, submetendo a despacho do presidente da Assembleia da República os assuntos cuja decisão não esteja no âmbito da sua competência", segundo a Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República. MP "

Faça-se de novo

A solução para este caso foi decidida na conferência de líderes desta manhã. PSD e PS terão agora de apresentar um novo projeto que não ponha em causa os limites dos concelhos de Lisboa e de Loures...

Os líderes parlamentares confirmaram tambem para dia 29 a eleição dos novos juízes do Tribunal Constitucional. Até sexta-feira, deverá ser entregue a nova lista.

Dos agendamentos, destaque para o debate das alterações ao código penal, código de processo penal e código de execução de penas marcado para dia 12 de Julho.

Peça aqui.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Cavaco promulga alterações ao Código de Trabalho...

...e justifica em comunicado. Peça de Natália Carvalho aqui.

Reação de Mariana Aiveca do BE aqui e aqui.
Reação de Francisco Lopes do PCP aqui.
A CGTP quer que os deputados solicitem a fiscalização sucessiva do diploma.

Domínio socialista em França

in Rue89

Com as eleições de ontem, os socialistas dominam em França. Peça de Daniel Ribeiro aqui.

Grécia vista de Lisboa

in humor indignado 99%


Em conferência de imprensa, esta manhã, Francisco Louçã considerou que os resultados gregos são uma lição para a Europa e um recado para António José Seguro...Peça de Madalena Salema aqui.

No Largo do Rato, António José Seguro convidou os embaixadores dos países da União Europeia para um almoço. Só um faltou: Grécia. Peça de Susana Barros aqui

João Almeida, CDS-PP, mostrou-se satisfeito com os resultados na Grécia. Aqui.

domingo, 17 de junho de 2012

PS/Porto: José Luis Carneiro vence Federação



José Luis Carneiro, novo líder PS/Porto
Porto: José Luis Carneiro (59% dos votos) venceu Guilherme Pinto (41% dos votos).


Restantes resultados das eleições que decorreram ontem nas federações socialistas:


Algarve: António Eusébio, único candidato, foi eleito.

Braga: Fernando Moniz, único candidato, foi eleito.

Coimbra: Pedro Coimbra (55% dos votos-resultados provisórios) venceu Mário Ruivo.

Viseu: João Azevedo, único candidato, foi reeleito.

Assobios para Cavaco Silva

Foi ontem na Póvoa de Varzim.
Reportagem de Alexandra Madeira aqui.

PR sobre a moção de censura apresentada pelo PCP aqui.

sábado, 16 de junho de 2012

Federações PS: Primeiros resultados

Resultados das eleições realizadas ontem nas Federações do PS:

Aveiro: Pedro Nuno Santos (65% dos votos) venceu Helena Terra (35% dos votos).

Beja: Pedro do Carmo (428 votos) venceu Hélder Guerreiro (382 votos).

Bragança: Jorge Gomes (497 votos) venceu Américo Pereira (352).

Castelo Branco: Joaquim Morão, único candidato, reeleito.

Évora: José Bravo Nico, único candidato, eleito.

Leiria: João Paulo Pedrosa venceu Fernando Lopes.

Lisboa: Marcos Perestrello, único candidato, reeleito.

Oeste: Rui Prudêncio, único candidato, reeleito.

Portalegre : Luis Testa (267 votos) venceu Jorge Martins (232 votos).

Santarém: António Gameiro, único candidato, eleito.

Setúbal : Madalena Alves Pereira (1501 votos) venceu Eduardo Cabrita (836 votos).

Viana do Castelo: José Manuel Carpinteira, único candidato, reeleito.

Vila Real: Rui Santos, único candidato, reeleito.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

É o que dá... legislar à pressa

PS e PSD enganáram-se há 15 dias a votar, numa das dezenas de votações na generalidade, especialidade e votação final global, da fusão das freguesias de Lisboa.
O mapa dos limites dos concelhos de Lisboa e de Loures estava mal.

Como esta discussão e votação foi feita a mata-cavalos, não chegou sequer a passar pela comissão parlamentar respectiva, há 15 dias niguém deu conta do erro.
Deram agora. E PSD e PS quiseram fazer tábua rasa de uma votação final global.

Bernardino Soares PCP não deixou passar e Jorge Lacão apresentou a solução.
Assunção Esteves que aceitou o requerimento desta maioria de Bloco Central lisboeta, mas acabou por não o levar a votos.
Peça aqui.

PS a votos

Hoje e amanhã há eleições nas Federações Distritais do PS.

Peça aqui.


PCP anuncia moção de censura

Não deitará abaixo o governo mas...
Anúncio de Jerónimo de Sousa marcou o debate quinzenal desta manhã na AR.
Peça aqui.
Comentário de Raul Vaz aqui.

sábado, 26 de maio de 2012

"Cavaco parece Rui Patrício a dizer que já não é o único goleador da selecção!"

Bernardino Soares, 41 anos, há 10 lider parlamentar do PCP, em entrevista à Antena1, para ver e ouvir na íntegra aqui.:

Quando vinha para a rádio, Bernardino Soares ouviu Cavaco Siva a dizer na Indonésia que "finalmente não estou sózinho na ideia do crescimento económico", diz que era
como se Rui Patrício, guarda-redes, dissesse que não era o único goleador da selecção.
"Se não fosse tão sério dava vontade rir" diz.

O lider parlamentar comunista explicou a moratória que o PCP quer introduzir na legislação portuguesa, uma decisão das jornadas parlamentares desta semana. A ideia é não se pagar enquanto se estiver desempregado. Acha até que os bancos concordam, porque senão perde-se a casa.
PCP não falou com banqueiros para fazer esta proposta, mas com gente do sector, sim.

Acusa o PS de querer disfarçar, depois da vitória de Hollande, o voto favorável ao Tratado Orçamental com este Acto Adicional que não altera nada.
E lembra que o PR ainda não o promulgou, ou seja não está em vigor.

Ficou com uma dença de pele quando leu o 'Manifesto pela Esquerda Livre' onde se diz que a esquerda está atónita perante política de direita: "não sei que esquerda é que está atónita, o PCP não está!". E está disposto a entender-se com o PS desde que "o PS deixe de defender políticas de direita"

O GP do PCP vai propor, de novo, um projecto para renegociar a dívida... que só pode ser paga com outras políticas que prevejam o crescimento. E tem esperança que a maioria a aceite, "porque a realidade é brutal que, se não o fizer, a maioria acabará por ruir".

Com este programa de ajuda vai ser impossível pagar a nossa dívida, considera Bernardino Soares que conclui ser preciso um novo programa de resgate.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Relvas na AR sim, mas já, não!

O Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares há-de ir ao Parlamento, mas só depois da ERC acabar o seu trabalho, assim determinou a maioria na Comissão de Ética.
PSD e CDS não estão exactamente de acordo sobre esta matéria, e Mendes Bota tentou adiantar serviço, como conta a jornalista Natália Carvalho.

Paulo Rangel, eurodeputado, quer o "integral esclarecimento e o PSD deve ser o mais aberto possível".

Passado um mês, o mundo muda e a maioria aprova...

... o Acto Adicional que o PS propôs há um mês e que chumbou.
Agora depois de Hollande, depois de Seguro ir a Belém e a São Bento, foi possível o acordo em nome de valores fundamentais: a credibilidade externa e a Troika a testemunhar 'in loco' o consenso nacional.

Carlos Zorrinho, PS, diz que esta alteração "foi liderada, imposta e proposta pelo PS" .

Foi o que disseram Nuno Magalhães CDS e António Rodrigues PSD, para ouvir aqui.

Notícia que a Antena1 antecipou esta noite, com a jornalista Natália Carvalho.

Parlamento poupa 12 M euros e devolve 4 M a Gaspar

É um orçamento suplementar para 2012, mas com superavit. Seguem milhões para o Tesouro - resultado do corte dos subsídios de Natal e férias deste ano de deputados e funcionários -  para melhorar a qualidade das leis que saem do Parlamento, e para o Canal Parlamento.
Ouvir aqui peça.

terça-feira, 22 de maio de 2012

"Doa a quem doer" e "não é timbre do governo fazer chantagem"

Foi no périplo europeu - por Bruxelas e Estrasburgo para contactos com os socialistas europeus, como conta a jornalista Susana Barros - que o líder socialista comentou o caso Relvas/Público, com o "doa a quem doer".

Pela segunda vez, Pedro Passos Coelho teve de falar do caso em Chicago na cimeira da Nato.
Para dizer que "não é timbre do governo fazer chantagem (...) estou certo que esse é o quadro em que os membros deste governo se movem".

Carlos Zorrinho, lider parlamentar, preferia que o trabalho na ERC e no Parlamento fosse simultâneo, porque "quem não deve, não teme".

Bernardino Soares, lider parlamentar do PCP, pede "esclarecimento o mais rápido possível na Assembleia da República", em declarações à margem das jornadas parlamentares que decorrem em Leiria.

Últimos desenvolvimentos do caso, com o director-adjunto do Público Manuel Carvalho, ouvido na RTPI.
Pressões e ameaças, diz o jornalista.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Portugal de fora da mini-cimeira

Foi em Chicago, à margem da Cimeira da Nato, onde a política, ao mais alto nível está bem activa.
Pedro Passos Coelho também lá está.

Mário Monti, o PM italiano vai reunir-se em Roma com Holland e Merkel para preparar a cimeira europeia do final do mês.
Rajoy, o PM espanhol, foi num primeiro momento excluído, mas depois da foto de família, a fazer fé no relato do El Mundo, Monti convidou-o.

E a ideia é tratar da agenda de crescimento e emprego na Europa.
O El Mundo conta tudo aqui.

Por exaustão fiscal, PCP diz não ao DEO

Na próxima 6ªfeira, também o PCP apresenta projecto para rejeitar o Documento de Estratégia Orçamental, porque há uma exaustão fiscal e o documento vai além do tempo de vigência da Troika e até deste Governo.
Um documento a que a Antena1 teve acesso. Aqui por Madalena Salema.

Isto num dia em que começam as jornadas parlamentares do PCP, em Leiria pela primeira vez, antecipadas aqui pelo líder parlamentar Bernardino Soares. Peça Célia de Sousa.

Se falou de dados privados "deve sair"

Tal como António Capucho, o Bloco de Esquerda e o PCP, se se confirmar Relvas não tem condições para continuar, diz Marcelo Rebelo de Sousa na TVI.
Para ouvir aqui.

"Não há ataque a coisa nenhuma", diz Passos

Em Chicago, na cimeira da Nato, Pedro Passos Coelho não quer falar sobre política doméstica, e segura Relvas. Para ouvir aqui.

Caso Relvas? "Tempestade num copo de água!"

Luís Filipe Menezes, no Conselho Superior da Antena1, pensa que o caso Relvas/Público não existe.
Acontece aos ministros que têm esta pasta e não é só cá, como Fernando Nogueira, ou Pedro Silva Pereira, Rubalcaba ou Rajoy, explica Menezes.
Para ouvir aqui.

PSD aguarda pelo trabalho que a ERC está a fazer, diz o lider parlamentar Luís Montenegro em Timor.
Para ouvir aqui.

domingo, 20 de maio de 2012

Pressionou? Ameaçou? Pediu desculpa?

Miguel Relvas, o Ministro Adjunto dos Assuntos Parlamentares, de novo na berlinda.

António Capucho, PSD, diz que se for verdade, o ministro tem de sair.

A oposição também, se se confirmar.

As desculpas do Ministro, por Lurdes Dias.

Joaquim Vieira, do Observatório de Imprensa, considera que o ministro pressionou.

A ERC vai investigar.

Seguro espera que maioria aprove propostas PS

Na 4ªfeira, o parlamento vai votar as propostas do PS da agenda do crescimento e emprego, a adenda ao tratado orçamental que só Portugal ratificou. A jornalista Madalena Salema teve acesso ao documento, que a Antena1 revelou aqui.

Na 6ªfeira, os socialistas apresentam alterações ao DEO - documento de estratégia orçamental. Duas votações que o líder do PS avisa não querer perder.

À saída de São Bento, António José Seguro disse-se "um optimista", e com expectactativa de aprovação dos projectos socialistas em votação esta semana.

"Isto é um teste", disse, agora que o diálogo foi retomado por iniciativa do PM e foi interrompido, também por iniciativa do PM, acusa.

O enquadramento do encontro Passos/Seguro: PM chama líder do PS a São Bento.

Louçã à A1: "PS tem de ser parte solução!"

Francisco Louçã, foi o primeiro líder partidário a vir a Rádio Pública, quando faltam cerca de dois meses para terminar a sessão legislativa.

Em entrevista (pode ouvir e vê-la aqui) à Antena1,

- o líder do Bloco pede clareza política, essencial a Portugal e à esquerda, neste momento. E pede aos socialistas pare serem parte da solução, porque é preciso dizer não à Troika.

- questionado sobre se o Governo chega a 2015, defende que se houver novo resgate tem de haver eleições.

- diz que se a Grécia sair do euro é a própria União Europeia que não resiste
- e que a sra. Merkel não se importa que a UE vá ao ar se fôr melhor para ela e para a Alemanha

- considera que os juros de 34 mil milhões de euros (ele diz 34 biliões à americana)
foram pirataria dos especuladores, para financiar a banca francesa, alemã e portuguesa,
não foi para resolver nenhum problema da nossa economia."Foi mesmo pirataria!".

- Mas o futuro vai depender do que restar do Tratado Europeu depois da eleição de Hollande, que voltou a rejeitar.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

"PS só pode votar contra Código Trabalho e PR deve vetar" diz Med

Em entrevista à Antena1, José Medeiros Ferreira afirmou que o Presidente da República deverá vetar a questão dos feriados, nomeadamente o 5 de Outubro, “se não fizer será um regente (…) e o PS deve votar contra, claro.”

Disse estar convencido que “ maioria não irá completar a legislatura”.

Sobre o papel de Cavaco Silva, afirmou que foi vitima de “uma campanha muito forte que o inibiu durante dois meses de ter uma atitude ativa” e que ao receber hoje o secretário geral do PS, o Presidente da República está de regresso

Sobre a audiência de António José Seguro, acrescentou que o secretário geral do PS deverá dizer ao Presidente da República “quais são as disponibilidades do PS, neste momento político”.
O lider do PS, que ainda não conseguiu refundar o PS, segundo o histórico socialista.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Rui Vilar à A1: Políticos no BPN falharam na ética!

Rui Vilar, 72 anos, veio à Rádio Pública dois dias depois de deixar de ser Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian. A entrevista aqui.
Como Presidente do Conselho do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal desde 1996, que agora, depois do memo da Troika, passou a ter a responsabilidade de supervisão, considera que os protagonistas políticos envolvidos no 'caso BPN' não se guiaram por critérios éticos.

Não se devia ter nacionalizado, era "melhor a liquidação do BPN".
Quanto à reprivatização "era a única solução".

Espera, no entanto, que esta segunda Comissão Parlamentar de Inquérito, chegue à verdade.

Rui Vilar também recomendar mais diálogo entre a Maioria e o PS e "mais atenção à UGT".

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Comissão de Inquérito BPN: Começam hoje as audições

A Secretária de Estado do Tesouro, Maria Luis Albuquerque, abre a ronda de audições da nova comissão parlamentar de inquérito ao BPN. Peça de Madalena Salema aqui.

"Cavaco Silva sai diminuído com este caso", considera o comentador Raul Vaz aqui.

BPN: "O maior escândadalo de sempre do sistema financeiro português", afirma Nicolau Santos aqui

terça-feira, 1 de maio de 2012

Primeiro de Maio: é o dia dele

E a  despedida foi assim... contada em sons pela jornalista Natália Carvalho.

Quantos dias faltam até 2018?

As decisões do Conselho de Ministros extraordinário aqui, por Célia de Sousa.

Vítor Gaspar considera que este documento é também "resultado do peso do passado nas contas actuais"

Passos Coelho, na Ovibeja, "não está à espera que eu desminta o sr. Ministro das Finanças, não é verdade?". E explica este DEO.

João Ribeiro, do secretariado do PS, acusa o Governo de não ter ouvido o PS sobre o DEO, nova sigla, documento de estratégia orçamental, no caso, até 2016. Muito para lá da legislatura e do memo da Troika.

Francisco Louçã, líder do BE, considera que "não há nenhum dia em que não haja novas medidas de austeridade".

Vasco Cardoso, da Comissão Política do PCP, "o roubo vai prolongar-se por 6 anos, 10 mil euros".

Arménio Carlos, líder da CGTP, "nada nos diz que daqui a uma semana, o governo vem dizer que não pode assumir compromissos para 2020..."

Bettencourt Picanço, líder do STE, desconfia, "um balão que voará se houver vento".

Ana Avoila, da Frente Comum, "2015 é ano de eleições!".

segunda-feira, 30 de abril de 2012

"Igreja só aceita suspender feriados, não acabar com eles", diz Ribeiro e Castro à Antena1

Em entrevista esta manhã à Rádio Pública, Ribeiro e Castro diz ter informações seguras de que a Igreja Católica considera que os feriados religiosos não são para acabar 'ad aeternum', mas sim uma suspensão, enquanto durar o programa da Troika. A igreja não quer rever a Concordata!

Entrevista de José Ribeiro e Castro, antigo líder do CDS, por Madalena Salema, aqui.  

No lançamento do livro que Ribeiro e Castro lançou na semana passada a favor do feriado do 1º. de Dezembro, o constitucionalista Jorge Miranda lançou o fim do Carnaval e dos feriados municipais.

Ele também não sabia do lapso, nem do cravo

O mais jovem deputado do parlamento português foi o entrevistado da semana dos 38 anos do 25 de Abril na Antena1.

Simão Ribeiro, 25 anos, da bancada do PSD, presidente da Jota do Porto, deputado municipal em Lousada, frequenta o curso de Direito.

A política faz parte da vida de Simão desde a adolescência. Nesta entrevista confessa que foi por Vítor Gaspar que só recentemente percebeu que subsídios só para 2015, que nunca tinha reparado que na bancada do PSD os cravos não abundavam no 25A, entre outras coisas. Pode ouvir aqui.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

"Ainda ele não era nascido (...) já eu estava na cadeia", diz Alegre

Não foi mais longe, por respeito ao cargo que o PM Pedro Passos Coelho ocupa, mas ouvido na reportagem de Célia de Sousa, na desfile da Avenida em directo na Antena1, Manuel Alegre diz que a questão do protagonismo não se coloca.

Antes de 1964, ano de nascimento do PM, já Alegre e Soares ou mesmo os capitães de Abril lutavam contra a didatura.

Noutro momento da reportagem, Vasco Lourenço acusa este governo de não representar os portugueses e confessa estar triste neste 25 de Abril.

"Juntem a vossa a minha voz", pede o PR no 25 de Abril

O discurso de Cavaco Silva nos 38 anos do 25 Abril.
Ouvido com pouca atenção pela câmara, o PR exortou os portugueses a "juntarem a sua voz à dele" para chegar ao estrangeiro uma boa imagem de Portugal.
Já no final do discurso, o PR apela ao governo para o diálogo com as oposições e parceiros sociais lembrando o acordo assinado de Concertação assinado em Janeiro, em risco de ser rasgado.
Directo das 12h aqui.

Comentário do analista político Raul Vaz.

Críticas de Jerónimo de Sousa, PCP acusando o PR de não estar à altura da situação, e de Francisco Louçã, do BE, lembrando que Cavaco esqueceu-se dos sacrifícios.
Desconexo com a realidade, resume Heloísa Apolónia dos Verdes.

Carlos Zorrinho, PS, com a ameaça de ruptura democrática porque o Governo não está cumprir os ideais de Abril e com o elogio ao discurso do PR, lamentando que não o tenha feito no passado.
Seguiram-se também os elogios do CDS com Nuno Magalhães e os do PSD com Luís Montenegro.

Assunção Esteves, PAR, defende a democracia como motor do bem-estar.
Pedro Pinto, PSD, o único que lembrou Miguel Portas, falou da Revolução forrada de veludo.
Helder Amaral, CDS, defende que a liberdade não tem proprietários citando indirectamente a ausência dos capitães de Abril desta sessão solene.
Agostinho Lopes, PCP, acusa PS, PSD e CDS de serem os responsáveis da crise.
Cecília Honório, BE, destaca o desmontar da herança de Abril.
José Luís Ferreira, Verdes, acusa o Governo de não governar para o povo.

Jorge Sampaio, satisfeito por estar no parlamento no 25 de Abril.

Miguel Portas na Rádio

O perfil por Susana Barros.

Entrevista de Miguel Portas a 14 de Maio de 2009, como cabeça de lista às eleições europeias. Europa, família e a vida.

Os amigos:
João Semedo, deputado do BE
José Manuel Pureza, antigo líder parlamentar do BE
Luís Fazenda, líder parlamentar do BE.

Os amigos do Conselho Superior:
A memória de Octávio Teixeira, antigo lider parlamentar do PCP, de Ana Gomes, eurodeputada do PS, de Bagão Félix, antigo ministro das Finanças da AD de Barroso.

Excerto do último Conselho Superior de 30 de Março de 2012.

Jorge Sampaio, antigo Presidente da República.
Marcelo Rebelo de Sousa ('apanhado' na Feira do Livro), antigo líder do PSD.

terça-feira, 24 de abril de 2012

25 de Abril:a polémica

Primeiro, o anúncio da Associação 25 de Abril. Peça de Carlos Guerreiro aqui.

Depois, os de Mário Soares e Manuel Alegre.

O ex-PR acusa o Governo de estar contra os princípios do 25 de Abril e em solidariedade com os heróis da Revolução decide tambem não participar na cerimónia de amanhã na AR. Aqui.

Manuel Alegre explica a sua ausência aqui.

Comentário de Raul Vaz aqui.

(atualização) Reação de Pedro Passos Coelho aqui.

Açores: CDS à espera de novo Governo

Jornadas parlamentares do CDS atentas às eleições açoreanas. Peça de Madalena Salema aqui.

Seguro e o cavaquinho



A foto é retirada do blogue do deputado socialista Acácio Pinto - "Jornadas parlamentares do PS: fotorreportagem dia 16 - e retrata o jantar das jornadas parlamentares do PS, em Bragança.
Depois dos Pauliteiros de Miranda, houve cantares regionais. António José Seguro tocou cavaquinho. Na sala não faltou quem reparasse "no jeito do Secretário-Geral para o cavaquinho..."

segunda-feira, 23 de abril de 2012

O PS em Bragança

No dia em que começam as jornadas parlamentares do CDS, lembramos como foram as do PS, na semana passada, em Bragança.



Na abertura, Carlos Zorrinho desafiou o Primeiro-Ministro a sair de São Bento e a ir até ao terreno ver o impacto das suas políticas. Peça

Francisco Assis criticou "a política isolacionista do Governo". Peça

À tarde, António José Seguro visitou a Câmara Municipal e o Tribunal de Vinhais, propondo a deslocação dos magistrados como alternativa ao seu encerramento, e ouvindo receios de que no futuro problemas entre vizinhos possam ser resolvidos à sacholada. Peça

Basílio Horta fez "mea culpa" no fracasso da venda da marca Portugal e criticou a diplomacia económica de Paulo Portas. Peça

Seguro fechou as jornadas com o anúncio de sete propostas para reduzir a fatura do gás e da eletricidade. Peça

domingo, 22 de abril de 2012

Guterres à Presidência da República! Bagão Félix dixit

Foi num debate na RTPI com Manuel Alegre - que lança Jaime Gama como candidato da esquerda - que o conselheiro de Estado indicado pelo CDS, em poucos segundos, lança o nome de Guterres.

Será que Paulo Portas também quer Guterres na Presidência?

sábado, 21 de abril de 2012

PTCruz à A1: Subsídios em 2015? "Só se houver espaço"

A Ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, em entrevista à Antena1, coloca a hipótese de não haver subsídios pós 2014 ao responder ao “lapso” de Vítor Gaspar que a Ministra não notou por ter lido o Orçamento de Estado de 2012. Diz, "se houver espaço", esperando que a situação europeia não se agrave e rejeitando que este lapso abale a confiança dos portugueses... Faremos "o pensável e o impensável para ultrapassar esta fase" porque vai levar décadas.

Até ao verão, o Tribunal Constitucional (TC), vai decidir sobre os cortes e sobre os subsídios. Se o TC chumbar será "uma catástrofe", diz Teixeira da Cruz, porque haverá uma recessão muito pior do que esta. E se for imposto? Uma matéria de Gaspar que a Ministra responde, e diz que não chegava.
Garante que a Constituição não está suspensa, mas não há dinheiro! Por isso faz questão de prestar tributo aos funcionários públicos. O caminho que este Governo está a seguir, afirma, é o único possível e não há perigo de se perder os príncipios constitucionais porque "os direitos fundamentais estão garantidos".
Sobre o PGR Pinto Monteiro afirma: “Não entendi que o mandato devia ir até ao fim, nem deixei de entender”. Subentende-se que, para Paula Teixeira da Cruz, ele devia ter saído, “compete aos próprios

Acusa o TC de ter sido juridiquês no acórdão sobre o enriquecimento ilícito e garante que tem soluções para ultrapassar as inconstitucionalidades que o TC encontrou.
Volta a defender o fim do Tribunal Constitucional, uma posição antiga de Paula Teixeira da Cruz, mas defende-a como Ministra. Só que, neste momento, não é prioritário colocar as funções do TC no Supremo Tribunal de Justiça.

Esta entrevista ocorreu antes de Saragoça da Matta retirar candidatura.
A Ministra da Justiça pensa que as escolhas feitas não eram tão desqualificadas quanto isso, houve casos piores no passado. Rui Pereira? Teixeira da Cruz disse não querer particularizar.
O facto de poder haver maçons como candidatos a juízes do TC preocupa-a.

As reformas em curso exigem mais de todos profissionais de justiça, é uma promessa da Ministra, que garante "os formalismos jurídicos vão terminar" e por isso os operadores vão mesmo ter de saber de Direito. 
Espera justiça no caso dos submarinos. Questionada sobre o receio de o caso terminar em Portugal como na Grécia, onde o Ministro da Defesa foi detido, responde, sem hesitar, que se "houver subornos e corrupção, espero que se faça justiça".
Sobre o mapa judiciário, critica a proposta de António José Seguro quando propõe “juízes caixeiros viajantes” que é como a Ministra apelida a proposta do líder socialista.